Mercado fechado

'Maria da Paz da vida real', ex-boia-fria vira empresária e ganha milhões com bolos

Fundadora da Sodiê Doces foi inspiração para a personagem Maria da Paz, interpretada por Juliana Paes em 'A Dona do Pedaço'(Foto: Divulgação)

Por Melissa Santos

A novela 'Dona do Pedaço' é um sucesso absoluto de audiência. O que nem todos sabem é que a boleira que a atriz Juliana Paes interpreta foi inspirada na história de Cleusa Maria da Silva, dona de uma das confeitarias mais famosas do Brasil, a Sodiê Doces.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

Cleusa veio da terceira geração de boias-frias da família. A vida da família não era fácil e piorou depois que seu pai morreu em um acidente de carro. “Foi quando eu e meus irmãos também começamos a trabalha. Andávamos de pau de arara, colhíamos algodão e soja, cortávamos cana... E segui essa rotina dos 12 aos 16 anos”, conta.

Leia também

Foi quando o tio de Cleusa pediu para sua mãe que um de seus 10 filhos fosse com ele para São Paulo. Cleusa se candidatou e começou a trabalhar como empregada doméstica, assim como Maria da Paz. “Só ia para casa do meu tio a cada 15 dias e lá conheci um outro mundo. Muitas coisas que eu não tinha e uma fartura imensa. E eu só queria poder tirar a minha mãe da vida de boia-fria”, fala.

Para isso, Cleusa viu que precisava concluir os estudos, interrompidos na 4ª série. Depois de concluir o ensino fundamental, ela voltou para Salto, cidade da família no interior de São Paulo, e começou a trabalhar em uma empresa que foi atingida pela lei de terceirização. “Meu gerente abriu uma empresa menor e me levou, mas ele logo ficou doente e morreu em pouco tempo. Sua esposa assumiu as funções e resolveu me ensinar seu antigo ofício, a produção de bolos para vender para fora”, explica a empresária.

Sem dinheiro para investir no negócio, Cleusa ganhou da mulher do ex-gerente uma batedeira e a garantia de que todo mês ela produziria o bolo para os funcionários. “Trabalhava o dia todo de manhã e à noite e de madrugava assava os bolos. Como trabalhava perto de casa, às vezes almoçava lá e fazia em paralelo os recheios para poder entregar mais tarde”, relembra.

A primeira tentativa de empreendedorismo

Depois de dois anos e cansada dessa rotina intensa, Cleusa resolveu abrir sua primeira loja “Sensações Doces” com 20 metros quadrados. O investimento veio da rescisão que ela e o irmão conseguiram. “Comprei alguns itens usados, mas no início não via resultado. Vendia de um a dois bolos por dia. Trabalhava de domingo a domingo e ainda dependia de ajuda da família para me sustentar”, conta.

Cleusa Maria da Silva, a fundadora da franquia Sodiê Doces (Foto: Divulgação)

Com o avanço do negócio depois de um ano, Maria teve a chance de contratar funcionários para ajudar. E passados cinco anos, ela e o irmão abriram uma nova loja em Indaiatuba. "Depois abri com uma amiga em Sorocaba. Fui expandindo e, em 10 anos, já tinha quatro lojas. Já tinha conseguido comprar um carro e tirado a minha mãe da vida de boia-fria graças a uma receita de bala que vi na Ana Maria Braga", diz.

Foi quando um cliente que vinha para a cidade só para comprar bolos semanalmente questionou o porquê Cleusa não abria uma loja em São Paulo. Ele falou sobre franquia e a empresária foi atrás do que seria esse modelo de negócio. “Sem conhecimento, comprei livros sobre o tema e fui para São Paulo fazer um curso da ABF (Associação Brasileira de Franchising). Quando voltei, liguei para ele e falei que ele seria meu 1º franqueado”, fala. Em dois anos, a Sensação Doces já tinha mais de 50 lojas.

Nasce a Sodiê Doces

Um dia a empresária descobriu que sua marca não passava pelo INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), pois uma empresa suíça havia pedido para indeferir. Quando pesquisou a fundo de quem vinha o pedido, descobriu que era a Nestlé. “Fiquei em desespero, pois sabia que não tinha a menor chance. Então saímos em busca de um nome. Após uma busca de quatro meses, minha gerente de expansão me deu um guardanapo com o nome Sodiê e explicou que era a união do nome dos meus filhos: Sofia e Diego. Sai chorando e conseguimos a marca.

Ao todo, Cleusa gastou R$ 3 milhões no rebranding da Sodiê Doces, o que a deixou no “vermelho” por quase três anos. “Não foi fácil convencer os franqueados de aquela mudança daria certo.”

Atualmente, a Sodiê Doces conta com 90 sabores de bolos, incluindo algumas versões zero açúcar, E mais de 300 lojas. Recentemente, Cleusa abriu sua primeira loja no exterior, em Orlando, nos Estados Unidos.