Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.518,25
    -1.216,76 (-1,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.865,43
    -154,62 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,85
    +1,35 (+1,64%)
     
  • OURO

    1.794,30
    +12,40 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    60.748,81
    -2.594,99 (-4,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.449,45
    -53,59 (-3,57%)
     
  • S&P500

    4.546,01
    -3,77 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.683,04
    +79,96 (+0,22%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.337,75
    -141,00 (-0,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5599
    -0,0211 (-0,32%)
     

Socialistas vencem eleições locais em Portugal, mas perdem Lisboa

·2 minuto de leitura
Premiê António Costa, durante evento de campanha, ao lado do prefeito de Lisboa, o socialista Fernando Medina (à esq.), em 24 de setembro de 2021, na capital portuguesa (AFP/Patricia de Melo Moreira)

À frente do governo português, os socialistas venceram as eleições municipais realizadas no domingo (27), mas sofreram uma surpreendente derrota em Lisboa - revelam os resultados da votação, após a apuração de quase todas as seções eleitorais.

Do total de 308 municípios, o partido do primeiro-ministro, António Costa, obteve 34,4% dos votos e arrebatou pelo menos 147 prefeituras. A oposição, de centro-direita, venceu em 108 cidades, com 30,8% dos votos.

Os socialistas ficaram em primeiro lugar nas eleições locais de 2013 e de 2017. Desta vez, a expectativa era de uma vitória mais apertada do que há quatro anos, momento em que tiveram o melhor resultado da sua história.

Em 2017, levaram 161 prefeituras e 38% dos votos, contra os 98 municípios conquistados pela principal legenda da oposição, o Partido Social-Democrata (PSD, centro-direita), e por seus aliados, com 28%.

Agora, com 35,8% dos votos em Lisboa, a coligação de direita liderada pelo ex-comissário europeu Carlos Moedas contrariou as previsões e derrotou o prefeito em final de mandato, Fernando Medina, que obteve 31,7% dos votos. Ele reconheceu a derrota no domingo à noite (26).

No Porto, a grande cidade do norte do país, o independente Rui Moreira conquistou um segundo mandato, com ampla margem, confirmando as pesquisas. Com leve alta, a abstenção chegou a 46,3%.

As eleições se deram em um contexto globalmente favorável ao governo de António Costa, que acabava de anunciar que, a partir da próxima quinta-feira (30), grande parte das restrições sanitárias ainda em vigor será suspensa.

O primeiro-ministro participou ativamente da campanha e prometeu ajuste de rumos na economia, duramente atingida pela pandemia da covid-19. Nesse sentido, anunciou projetos de investimento financiados pelo plano europeu de recuperação econômica.

tsc/at/jvb/meb/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos