Mercado abrirá em 6 h 14 min
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.840,50
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    38.860,53
    -3.016,54 (-7,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    917,81
    -77,45 (-7,78%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.768,73
    -183,62 (-0,74%)
     
  • NIKKEI

    27.420,73
    -352,20 (-1,27%)
     
  • NASDAQ

    14.679,50
    -161,50 (-1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1362
    +0,0061 (+0,10%)
     

Social Commerce deve movimentar quase US$3 trilhões até 2026

·3 min de leitura

Em todo o mundo, o social commerce – forma de comercialização de produtos online através das redes sociais -, está em franca expansão. Somente na China, este mercado movimentou US$ 186 bilhões em 2019, de acordo com o portal eMarketer. A expectativa é que, de acordo com levantamento da consultoria Research and Markets, o mercado de social commerce global atinja a soma de US$ 2,9 trilhões até 2026. Em 2021, só o mercado norteamericano de social commerce movimentou cerca de US$ 51,2 billhões, enquanto que a expectativa é de que, só a China, alcance US$ 1,5 trilhões até 2026.

Os números são o resultado de uma estratégia de comercialização de produtos que é considerada mais fácil, divertida e sobretudo rápida. Através de plataformas como Whatsapp, Facebook ou Instagram, consumidores conseguem visualizar produtos, interagir com influenciadores em tempo real, escolher mercadorias e fechar o negócio ali mesmo. Tudo sem ter que migrar para um site, ou dar um telefonema.

O whatsapp, por exemplo, permite o envio de catálogos de produtos, conversas e interações com clientes e já aceita pagamentos. O Facebook (agora Meta), por sua vez, criou o Shops, uma loja online dentro de sua plataforma, onde o consumidor pode acessar catálogos, avaliações de produtos e conversar com o vendedor, entre muitas outras possibilidades. A ferramenta Shops atende às marcas no Facebook, Instagram e WhatsApp e ganhou robustez no cenário pós-pandemia, em que negócios precisam encontrar formas alternativas de comercialização.

O Instagram seus vídeos, que também realizam venda de produtos, bem como o Tik Tok, que também se destaca por formatos de negociação de produtos através do live shopping e do social commerce. O número de vendas através desta rede tem sido tão grande que levou à criação, na China, da hashtag #TikTokmademebuyit, que já alcançou bilhões de visualizações.

A expectativa é de crescimento no Brasil. De acordo com dados da plataforma BigCommerce, 30% dos consumidores online afirmam que estariam bastante inclinados a realizar compras através de redes sociais. E como não poderia deixar de ser, Social Commerce será um dos temas discutidos na NRF 2022, que reúne os gigantes mundiais do setor. Uma das apresentações sobre o tema será feita por Jill Grozalsky Roberson, executiva da Sitecore, sobre a transformação dos pontos de contato em transações comerciais.

Com o aumento contínuo das compras em dispositivos móveis, social commerce, RA dentre outros, cada ponto de contato é uma transação potencial. Por isso, varejistas estão se concentrando em fornecer conveniência, o que significa mostrar onde seus clientes estão e permitir que eles realizem transações onde quiserem. Com isso, estratégias omnicanal são cada vez mais importantes.

Omnicanal, social commerce, live commerce e outras novas estratégias de vendas e marketing serão alguns dos assuntos tratados na edição da NRF 2022, que começa dia 15/janeiro. Para saber mais sobre o evento, acompanhe a cobertura exclusiva da FAST COMPANY BRASIL, que terá uma correspondente especial no local, acompanhando a feira e trazendo mil novidades.

O post Social Commerce deve movimentar quase US$3 trilhões até 2026 apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos