Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,77
    +0,07 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.732,70
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    60.052,25
    +294,48 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.288,55
    -6,03 (-0,47%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.453,28
    -245,52 (-0,86%)
     
  • NIKKEI

    29.538,73
    -229,33 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    13.817,00
    +8,25 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8297
    +0,0655 (+0,97%)
     

Sobreviventes de massacre: Sem demarcação, terra indígena dos 'últimos isolados Piripkura' tem desmatamento recorde

Daniel Biasetto
·1 minuto de leitura

RIO - A a Terra Indígena Piripkura, em Mato Grosso, considerada a porta de entrada da Amazônia Legal, tornou-se em apenas cinco meses o território mais devastado entre as áreas com a presença de povos isolados. Ela é muito cobiçada por madeireiros.

Dos 962 hectares de floresta desmatados por grileiros no ano passado, 919 foram destruídos entre agosto e dezembro. A extensão, que equivale a quase mil campos de futebol, ocorre dentro de um espaço legalmente definido pelo governo federal e identificado pela Fundação Nacional do Índio (Funai), desde 1985, como de uso restrito para não índios — portanto, deveria estar intacto. A área total é de 243 mil hectares.

Em janeiro, mês de chuva e teoricamente de maior dificuldade para ação dos invasores, a motosserra não cessou, e a floresta de Piripkura teve outros 375 hectares devastados, 90% de todo o desmatamento verificado entre os 15 territórios com índios isolados monitorados pelo Instituto Socioambiental (ISA).

Para saber mais, leia aqui a íntegra da reportagem exclusiva para assinantes.