Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,79
    +0,36 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.784,30
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    52.008,04
    -2.927,56 (-5,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,54
    -48,51 (-3,90%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.763,50
    +13,25 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5423
    -0,1597 (-2,38%)
     

Sobrevivente de voo da Chape escapa da morte em novo acidente: 'Mais uma vez foi salvo', diz irmã

Extra
·2 minuto de leitura

Um dos seis sobreviventes do trágico voo da Chapecoense de 2016, que matou 71 pessoas, o ex-técnico da aeronave, Erwin Tumiri, escapou mais uma vez da morte. Na terça-feira, dia 2, boliviano estava em um ônibus que caiu de um barranco e capotou no quilômetro 72 na rodovia Cochabamba-Santa Cruz, na Bolívia. Até o momento, 21 pessoas morreram e 30 ficaram feridas, entre elas Tumiri. A irmã do sobrevivente do voo da Lamia afirmou que ele está vivo por milagre divino. Em entrevista ao jornal Los Tiempos, ala disse que ele teve apenas ferimentos leves e está bem.

“Ele está estável, graças a Deus, mais uma vez ele foi salvo. Ele teve ferimentos leves. Fiquei muito preocupada, sinto-me feliz pelo meu irmão. Ele está com feridas no joelho e arranhões nas costas, está com um corte no joelho”, afirmou.

Depois do acidente, Tumiri resolveu estudar e se formou como piloto. Atualmente, ele trabalha para aeronaves particulares na Bolívia. Até 2019, ele estudava no país para ser piloto de aviões comerciais.

Na época do acidente, Tumiri concedeu uma entrevista exclusiva ao “Fantástico” em que ele fez duas revelações: a primeira, a de que em nenhum momento os pilotos avisaram aos passageiros e a tripulação de que a aeronave estava enfrentando uma emergência. A segunda, relacionada à causa da queda, foi ter sido informado pouco antes da decolagem que não haveria a escala para reabastecimento em Cobija, na fronteira da Bolívia com o Brasil.

— Como técnicos, nós recebemos o plano de voo, e nós nos preocupamos. A Lamia tem os seus gerentes que estipulam o volume de combustível. Eu faço meu trabalho (abastecer), e sigo o que me mandam. Eu fiz o relatório de que íamos até Cobija, mas no momento da decolagem quando voltei a perguntar: “Vamos até Cobija?” Foi quando me responderam “Não, vamos direto a Medellín“. Mas acho que pode não ter sido uma boa ideia a do piloto ou a do responsável.