Mercado fechará em 53 mins
  • BOVESPA

    111.262,39
    -811,16 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.435,21
    -583,70 (-1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,54
    +0,13 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.926,40
    -16,40 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    23.931,09
    +919,43 (+4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    546,02
    +0,71 (+0,13%)
     
  • S&P500

    4.180,59
    +61,38 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.003,78
    -89,18 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.832,75
    +418,50 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4613
    -0,0931 (-1,68%)
     

Sob Bolsonaro, preços do diesel e do botijão de gás dispararam

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Mesmo com cortes de impostos federais e estaduais, os preços do diesel e do botijão de gás dispararam nos quatro anos do governo Jair Bolsonaro, que se encerram neste sábado (31). Já a gasolina foi mais impactada pela redução do ICMS e fecha o período mais barata do que em dezembro de 2018.

Segundo a pesquisa de preços da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) divulgada nesta sexta-feira (30), o preço médio da gasolina nos postos brasileiros encerra o ano em R$ 4,96 por litro, praticamente alta de 0,6% em relação à semana anterior.

É um valor 9,5% menor do que os R$ 5,48 vigentes na última semana de dezembro de 2018, em valores corrigidos pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), o indicador oficial de inflação.

A queda reflete os cortes de impostos aprovados pelo Congresso em junho, para conter escalada que levou o preço do combustível a ser vendido por um preço médio acima de R$ 7 por litro entre março e julho deste ano.

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estuda manter a desoneração de impostos federais, que representam R$ 0,77 por litro. Caso não renove a medida, o consumidor já começará a sentir a alta na próxima semana.

O consultor Dietmar Schupp, especialista em tributação de combustíveis, estima que o preço médio da gasolina suba 14,1% com a volta dos impostos. Em alguns estados, a alta pode chegar a 15%.

Com menor carga tributária do que a gasolina, os preços do diesel e do gás de botijão sofreram menores impactos dos cortes de impostos e fecham o governo acima dos valores praticados na última semana de 2018, mesmo considerando a inflação do período.

De acordo com a ANP, o litro do diesel foi vendido esta semana a R$ 6,25, queda de 0,4% em relação à semana anterior e 43,3% acima dos R$ 4,36 vigentes na semana anterior ao início do mandato de Bolsonaro.

Naquele período, o valor era subsidiado pelo governo, como acordo para encerrar a greve dos caminhoneiros. Em janeiro de 2019, com o fim do subsídio, a Petrobras elevou o preço em R$ 0,05 por litro em suas refinarias, mas não houve repasse significativo às bombas.

O preço do etanol hidratado subiu 8% no governo Bolsonaro, já considerando a inflação do período, passando dos R$ 3,58 por litro vigentes na última semana de 2018 a R$ 3,87 por litro esta semana.

Já o botijão de gás de 13 quilos, que hoje tem preço médio de R$ 108,64, custava R$ 87,44, em valor corrigido pelo IPCA na última semana de dezembro de 2018. Teve, portanto, uma alta de 24,2% durante o governo Bolsonaro.

Outro combustível que teve forte alta no período foi o GNV (gás natural veicular), que passou de R$ 3,85 para R$ 4,72 por metro cúbico, alta de 22,5%. O combustível é muito usado por taxistas e motoristas de aplicativo, principalmente no Rio de Janeiro.

Parte da alta dos preços dos combustíveis é explicada pela elevação das cotações de petróleo, aliada à aplicação de uma política de preços que prevê a paridade em relação ao mercado internacional, que deve ser revista pelo novo governo.

Ao fim de 2018, o petróleo Brent, referência internacional negociada em Londres, era negociado na casa dos US$ 55 por barril. Nesta quinta-feira, fechou a US$ 83,46. No primeiro semestre, chegou a ser negociado acima dos US$ 100 como reflexo da invasão russa à Ucrânia.

Mas a taxa de câmbio também influenciou: a cotação do dólar fechou 2018 em R$ 3,87, o equivalente hoje a R$ 4,89 quando corrigido pelo IPCA. Nesta quinta-feira, último pregão de 2022, fechou a R$ 5,28.

A escalada dos preços dos combustíveis teve forte impacto sobre a popularidade de Bolsonaro, que passou quase todo o mandato em conflito com a direção da Petrobras, chegando a demitir três presidentes da estatal em quatro anos.

A situação só melhorou com a nomeação de Caio Paes de Andrade, que se beneficiou da queda das cotações internacionais do petróleo e adotou uma estratégias de anunciar cortes de preços a conta-gotas durante o período eleitoral, gerando notícias positivas para a campanha pela reeleição do presidente.