Mercado fechado

Snapdragon 865: todos os detalhes sobre o "monstro" mobile

Adriano Ponte

Hoje (04), a Qualcomm revelou, no segundo dia de conferência do Snapdragon Summit, todos os detalhes sobre seu novo chipset topo de linha, o Snapdragon 865, chamado pela empresa até então de “fera”, “besta” e outros nomes que remetem a dragões em geral. De fato, o chip promete e deixa claro que o ano de 2020 será poderoso para os smartphones que usarem o processador.

Como isso afeta os celulares de 2020?

Tudo que foi apresentado tem duas funções: indicar o que um Motorola, Xiaomi, Etc poderão fazer ao longo de 2020, ao mesmo tempo “esperando” que as fabricantes façam uso de fato das possibilidades que o Snapdragon 865 oferece.

Para quem está acompanhando “perdido” os anúncios da Qualcomm, facilita pensar que “um celular sem marca” absurdamente poderoso foi anunciado ontem e hoje, o Snapdragon 865, que “pode” fazer tudo que vamos listar abaixo, porém depende das fabricantes de fato colocar tudo isso num corpo de metal, vidro, dar bateria, etc, afinal um celular não é feito apenas de processador.

Depois de entender isso, basta lembrar que o 865 pode mover computadores, tablets e outras coisas como óculos de realidade virtual. Assim podemos prosseguir com mais facilidade, certo?

Nota importante: aqui não falaremos de 5G praticamente, afinal esta é apenas uma pequena parte modular do Snapdragon 865, o Modem 5G Qualcomm X55 (de 7.5 Gbps de download com certificação Wi-Fi-6), com conectividade de ondas nanométricas e sub-6. Isso pode aplicado em outros itens de forma complementar e, sim, é parte do 865, porém há muito mais para falarmos do chipset (e rodopiar em torno de um assunto que há um ano é bombardeado na mídia global como “o futuro chegou” é cansativo e desnecessário para todos os envolvidos).

A conectividade toda do Chipset é o que há de mais avançado, portanto ponha na conta também Bluetooth 5.1 com aptx e suporte pleno ao TWS+ (para conectividade de alto desempenho com fones que funcionam “aos pares”, ao melhor estilo AirPods, Redmi AirDots, Galaxy Buds, etc, etc).

Snapdragon 865: Fotografia móvel é o objetivo

(Foto: Adriano Ponte/Canaltech)

Na prévia sobre o chip, ficou claro que o 865 permitirá que as fabricantes utilizem câmeras de até 200mp para fotografias cheias de detalhes, sendo isso resumido em arquivos muito complexos ou fotos com zoom digital sem perdas de qualidade para nossos padrões atuais. Isso não quer dizer que o próximo aparelho com 865 terá uma câmera dessas - esse é o novo limite do CHIP (dois “Gigapixels” por segundo de processamento).

Como os limites subiram, o 865 entregará gravações em 8K, suporte Dolby Vision, captura simultânea em 4K HDR e Fotografia de 64MP (ou seja, é possível fazer fotos de fato durante os vídeos, não apenas congelar um frame de forma digital).

Ainda nessa alta banda de processamento de imagens por segundo há o suporte do 865 ao zoom contínuo entre as múltiplas lentes dos aparelhos que moverá em breve, dado o processamento de tantos itens de forma simultânea e funcional. A idéia é bem resumida pelo que vimos na apresentação da Apple com seus novos chips e câmera tripla, logo fica a pista de que o Snapdragon 865 pode ser tão ou mais potente que o sistema de ISP dos iPhones (sendo ISP a parte do chip que controla e processa os sinais de imagem das câmeras). No 865, o processamento de pixels é feito em grupos de quatro, não um a um como é esperado de versões anteriores, algo que diminui o ritmo de trabalho mas aumenta a produtividade (baterias em geral agradecem).

Adicionalmente, o 865 suporta captura ilimitada de vídeos em 960FPS (720p), logo é possível filmar em câmera lenta por tempo indeterminado, sem pausas obrigatórias. Esse último ponto, inclusive, deixa claro que o 865 foca um melhorar tudo que foi possível sem comprometer o chip com problemas de superaquecimento ou limites de trabalho em pico, entregando potência apenas “se puder suportar” por longos períodos, sendo uma decisão de fazer 100% de rendimento com estabilidade (ao invés de atingir picos não suportáveis de potência apenas por alguns segundos). Isso se estende à todas as características do 865, mas a fotografia ilustra bem essa característica, assim como a parte de games. E falando neles...

Playstation-Xbox-PC de mão em 2020, mas com Android

(Foto: Adriano Ponte/Canaltech)

Com atualizações na CPU e GPU, a promessa da Qualcomm é que os jogadores móveis percebam ganhos tanto na velocidade dos gráficos como na forma com a qual o processador lida com os cálculos na sua revisão atual, entregando efeitos de iluminação mais complexos, texturas e velocidade no processamento de camadas de efeito mescladas sem transparecer esse esforço todo, tanto por performance energética boa quanto por entregar mais quadros (e não menos, com a complexidade adicional que entra na fórmula)

Em números, a unidade gráfica (GPU Adreno 650) está 25% em relação ao ano passado com 35% menos consumo de energia e, na parte de CPU, temos o núcleo Kryo 585 com 25% mais desempenho que a versão do ano passado.

Em outras palavras, a atualização de potência e a forma de processamento atualizada (Qualcomm Game Smoother 2.0 e Performance Engine) permite (e passa a suportar) telas de 144hz para que entreguem bem mais que os 60fps esperados para games, ajustando isso de forma estável ao game e sua saída de quadros por segundo desejada.

Um exemplo cruzado disso foi dado no palco do Summit neste segundo dia, ativando CPU, GPU e inteligência artificial ao mesmo tempo com avatares de realidade aumentada em tempo real com performance bem longe da “travadeira” que costumamos ver em filtros 3D do Instagram, por exemplo. E como inteligência artificial entra no meio...

Inteligência artificial mais avançada, pelo menos como conhecemos

(Foto: Adriano Ponte/Canaltech)

Os exemplos atuais de A.I. envolvem mais processamento especializado do que de fato robôs pensando e núcleos para esse tipo de trabalho existem em boa parte dos chips de alto rendimento da atualidade. O Snapdragon 865 e sua unidade Hexagon 698 de processamento combinada com as demais áreas do chip faz esse papel de forma expandida nesse ano, abrigando a quinta geração de inteligência artificial da Qualcomm neste ano, incluindo um novo tensor de aceleração para I.A. e culminando tudo em 15 TOPs, ou seja, 15 trilhões de operações por segundo para que a percepção do ambiente e processamento de dados em linguagem natural aconteçam localmente em alta velocidade, deixando a nuvem como fonte de consulta para, por exemplo, uma tradução em tempo real de Inglês para Mandarim (como demonstrado no palco do Summit), sendo a nuvem apenas uma referência para os dados, com o processamento e tradução acontecendo em tempo real nos dispositivos com Snapdragon 865.

Outro ponto nessa localidade aplicada em I.A.: sensores. Dá para lembrar por volta de 2014 quando os co-processadores de baixa energia começaram a dar vida aos gestos nos celulares (como as moto ações da Motorola), onde pegar um aparelho da mesa ativa a tela automaticamente pelo monitoramento contínuo de baixo consumo de energia de sensores dedicados. Nessa época surgia o “Ok Google”, necessitando de acesso ao microfone em tempo integral para esperar a palavra chave.

No Snapdragon 865, a zona do chip dedicada a Qualcomm Sensing Hub opera em baixíssima energia para não apenas realizar o velho truque do “Google”, mas também para permitir que com menos de 1mW de consumo haja via câmera a capacidade de assistentes atenderem e ajudarem. Um aceno para falar com o Google Assistente? Fotos automáticas quando estiver na praia? Só saberemos ao longo de 2020, mas agora é possível imaginar o que já é possível e nativo no próprio aparelho, incluindo mais segurança, afinal o chip (a unidade mais básica do sistema operacional, de certa forma) traz de forma nativa controle de percepção de ambiente, então se o seu celular desligar a tela por segurança no futuro pois alguém estava tentando espiar a senha do seu banco por cima do seu ombro, lembre que essa “percepção” do ambiente começou a nível de Chipset, aqui no Snapdragon 865.

Isso tudo combinado com o núcleo de segurança do 865 permite que, assim como anunciado pelo próprio Google no palco do Summit, que documentos reais (carteira de habilitação de motorista americana como no exemplo) possam ser armazenados de forma integrada numa próxima versão do Android, com perfeito valor legal e segurança.

O que mudou então?

O que era potente ficou mais potente, com mais áreas especializadas. A conectividade tem 5G, a A.I. tem mais controle sobre o chip e é consultada pelas outras áreas para acelerar todo mundo, a parte de 3D funciona com mais instruções, potência e suporte estendido.

O Snapdragon 865 é um monstro de fato, cabe apenas às fabricantes mostrarem se são capazes de usar tudo isso em 2020, ou pelo menos boa parte disso tudo sem estourar os bolsos dos usuários nesse processo.

*O Canaltech viajou ao Havaí a convite da Qualcomm para conferir os anúncios do Summit deste ano, então fique ligado aqui para mais novidades no último dia da conferência.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: