Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.036,99
    +122,68 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Snapdragon 8 Gen 2 estreia com configuração inédita de CPU e Ray Tracing

Durante apresentação realizada no Snapdragon Summit nesta terça-feira (15), a Qualcomm revelou o Snapdragon 8 Gen 2, mais novo chipset premium da gigante que deve equipar os principais celulares top de linha de 2023. Depois de uma estreia conturbada do antecessor, resgatado por sua variante Plus poucos meses depois, a plataforma estreante promete agitar o mercado com diversas mudanças, incluindo uma configuração inédita de núcleos da CPU, e aceleração de hardware para Ray Tracing.

O Snapdragon 8 Gen 2 segue a parceria de sucesso feita entre Qualcomm e TSMC e é fabricado no processo de 4 nm da gigante taiwanesa. Combinando otimizações com os novos núcleos da ARM, o chip promete eficiência energética até 40% maior com 35% melhor performance — números obtidos em uma comparação com o Snapdragon 8 Gen 1 padrão, chip produzido pela Samsung com muitos relatos de alto consumo e aquecimento excessivo.

A comparação com o Snapdragon 8 Plus Gen 1, também fabricado em 4 nm pela TSMC, não deve ser tão favorável, mas é preciso aguardar por testes aprofundados para sabermos a real diferença. Independente disso, o novo processador da Qualcomm se destaca por embarcar uma configuração inédita de CPU: em vez de apostar no já tradicional 1 + 3 + 4 núcleos, a companhia empregou uma CPU em 1 + 4 + 3, conforme apontavam os rumores.

A CPU do Snapdragon 8 Gen 2 traz configuração inédita de 1 + 4 + 3 núcleos, e promete até 35% mais desempenho com consumo 40% menor (Imagem: Qualcomm)
A CPU do Snapdragon 8 Gen 2 traz configuração inédita de 1 + 4 + 3 núcleos, e promete até 35% mais desempenho com consumo 40% menor (Imagem: Qualcomm)

A distribuição também chama atenção por combinar diferentes gerações de núcleos no conjunto de alto desempenho, e é feita da seguinte maneira: 1 Cortex-X3 de máxima performance rodando a até 3,2 GHz, 2 Cortex-A715 junto a 2 Cortex-A710, todos de alto desempenho, trabalhando a até 2,8 GHz, e 3 Cortex-A510 (em sua versão atualizada mais eficiente lançada neste ano) de alta eficiência operando a até 2,0 GHz.

Outra melhoria bem-vinda é o aumento da capacidade de cache L3, que passa de 6 MB para 8 MB, finalmente igualando o componente a outras plataformas do mercado. O maior benefício dessa mudança em específico está em um crescimento na quantidade de instruções armazenadas próximo aos núcleos, reduzindo a necessidade de acessar a memória RAM para coletar dados adicionais, consequentemente reduzindo o consumo e aumentando o desempenho.

Fabricado em 4 nm pela TSMC, o Snapdragon 8 Gen 2 promete se destacar pelos inúmeros recursos inéditos que embarca (Imagem: Qualcomm)
Fabricado em 4 nm pela TSMC, o Snapdragon 8 Gen 2 promete se destacar pelos inúmeros recursos inéditos que embarca (Imagem: Qualcomm)

Diferente do que aconteceu com o rival Dimensity 9200, o Snapdragon 8 Gen 2 não é exclusivamente 64-bit, sendo capaz de executar também apps e games com instruções 32-bit com ótima performance — segundo a Qualcomm, este seria o motivo para uso de dois grupos de núcleos distintos no cluster de alto desempenho, com o Cortex-A710 ficando responsável por otimizar a execução dos aplicativos 32-bit.

Ainda comparado ao concorrente da MediaTek, o lançamento da Qualcomm tem clocks mais altos em quase todos os grupos, que combinados à nova configuração de núcleos devem proporcionar uma vantagem significativa em tarefas que exijam mais da CPU. Mas, novamente, é preciso aguardar por testes aprofundados para termos certeza.

Nova GPU Adreno estreia Ray Tracing por hardware

Acompanha a CPU aprimorada a nova GPU Adreno — a Qualcomm deixou de nomear publicamente seus chips gráficos mas, segundo vazamentos, o componente deve se chamar Adreno 740. A solução promete desempenho 25% superior com consumo 45% menor em comparação à Adreno 730 do Snapdragon 8 Gen 1 padrão, números bastante respeitáveis a serem atingidos na passagem de uma geração para outra.

A nova GPU Adreno (possivelmente Adreno 740) do Snapdragon 8 Gen 2 promete até 25% mais performance com 45% mais eficiência frente à Adreno 730 (Imagem: Qualcomm)
A nova GPU Adreno (possivelmente Adreno 740) do Snapdragon 8 Gen 2 promete até 25% mais performance com 45% mais eficiência frente à Adreno 730 (Imagem: Qualcomm)

Ainda de acordo com a empresa, em aplicações e games que utilizam a mais recente API Vulkan 1.3, o salto é maior, chegando a até 30%. O melhor desempenho em software baseado em Vulkan é algo que já é visto pelo menos desde a geração passada: os ganhos apresentado pelo Snapdragon 8 Gen 1 com esses apps também apresentavam crescimento de 30%.

O que realmente chama atenção na nova Adreno são os recursos implementados pela gigante, com destaque para a tecnologia de Ray Tracing acelerado por hardware. Com isso, as três principais plataformas premium do mundo Android (Snapdragon, Exynos e Dimensity) tornam-se compatíveis com a função que replica o comportamento realista da luz em apps e games.

Com aceleração de hardware para Ray Tracing, a GPU promete sombras suaves, reflexos e oclusão de ambiente realistas (Imagem: Qualcomm)
Com aceleração de hardware para Ray Tracing, a GPU promete sombras suaves, reflexos e oclusão de ambiente realistas (Imagem: Qualcomm)

A Qualcomm destaca que, com a novidade, smartphones munidos do chipset estreante poderão oferecer, em jogos otimizados, sombras mais realistas e suaves, reflexos que reproduzem com fidelidade a cena dos jogos e oclusão de ambiente (ambient occlusion) — as sombras de contato, geradas pela proximidade de dois ou mais objetos — precisa e realista.

Outro recurso de peso, ainda exclusivo do novo Snapdragon, é o suporte nativo aos Metahumans da Unreal Engine 5. Um dos principais destaques da 5ª geração do motor gráfico da Epic Games, os Metahumans são modelos avançados de personagens humanos que focam no realismo, e prometem facilitar a vida dos desenvolvedores ao gerar modelos 3D ricos em detalhes e prontos para animar. Na prática, isso pode significar que veremos jogos mais complexos chegando aos smartphones.

O Snapdragon 8 Gen 2 é o primeiro chipset para smartphones a suportar o Metahumans, ferramenta avançada de criação de personagens da Unreal Engine 5 (Imagem: Qualcomm)
O Snapdragon 8 Gen 2 é o primeiro chipset para smartphones a suportar o Metahumans, ferramenta avançada de criação de personagens da Unreal Engine 5 (Imagem: Qualcomm)

A GPU é responsável ainda pelo gerenciamento da tela dos celulares com o motor Adreno Display, agora munido de suporte ao HDR Vivid, um protocolo de HDR desenvolvido em grande parte pela Huawei e publicado pela China Ultra HD Video Alliance (CUVA), já integrado ao pacote de recursos de soluções de HDR como o renomado Dolby Vision. Fora isso, há ainda o OLED Aging Compensation, mecanismo que promete reduzir os riscos de burn-in em celulares com tela OLED.

IA turbinada com instruções INT4

Inteligência Artificial foi um dos pontos que mais destacados pela Qualcomm, que afirma que o Snapdragon 8 Gen 2 é uma "verdadeira maravilha da IA". As mudanças na chamada Qualcomm AI Engine (a combinação de CPU, GPU, coprocessador Hexagon de IA e o Sensing Hub, especializado em processar dados dos sensores) são de fato profundas, e começam com os inúmeros aprimoramentos feitos ao Hexagon.

Prometendo performance por Watt 60% superior, o novo coprocessador Hexagon para IA é o primeiro para smartphones a suportar instruções INT4 (Imagem: Qualcomm)
Prometendo performance por Watt 60% superior, o novo coprocessador Hexagon para IA é o primeiro para smartphones a suportar instruções INT4 (Imagem: Qualcomm)

O componente recebe um sistema de alimentação próprio, o que combinado a um salto de desempenho prometido de até 4,35 vezes frente ao antecessor, proporcionaria performance por Watt 60% maior. Outras duas melhorias importantes que garantem esses avanços são o salto de 2 vezes de performance na execução de modelos de IA que utilizem instruções no formato Tensor, e a estreia de instruções no formato INT4, inéditas em smartphones.

De maneira bastante resumida, instruções INT4 retornam números menos precisos em comparação ao formato FP32, mais comum, o que pode parecer negativo em um primeiro momento, mas na realidade é bastante benéfico para tarefas de IA. A menor precisão reduz a complexidade do que é processado e acaba acelerando os cálculos, apresentando resultados aprimorados no fim das contas. Um dos exemplos apontados pela Qualcomm em que as melhorias são visíveis é o pós-processamento de fotos.

O novo Sensing Hub, que controla os sensores do smartphone, promete o dobro de performance graças à adição de um segundo processador de IA e de aumento de 50% na memória dedicada (Imagem: Qualcomm)
O novo Sensing Hub, que controla os sensores do smartphone, promete o dobro de performance graças à adição de um segundo processador de IA e de aumento de 50% na memória dedicada (Imagem: Qualcomm)

Outro integrante do Qualcomm AI Engine, o Sensing Hub concentra o processamento dos sensores do celular para tarefas como reconhecimento de voz, recursos de IA para a câmera e biometria, e agora promete o dobro de desempenho, graças à adição de um segundo processador de IA e ao aumento de 50% na capacidade de memória dedicada.

Primeiro "ISP cognitivo" para câmeras

Smartphones modernos costumam utilizar IA para reconhecer cenas, como plantas, animais ou comida, e assim aplicar efeitos e pós-processamento específicos que entreguem fotos e vídeos melhores para cada cenário. O novo Spectra ISP (Processador de Sinal de Imagem) do Snapdragon 8 Gen 2 promete levar essa característica a um novo patamar, sendo o "primeiro ISP cognitivo do mundo".

O ISP Spectra do Snapdragon 8 Gen 2 trabalha junto ao coprocessador Hexagon de IA para ser o "primeiro ISP cognitivo do mundo" (Imagem: Qualcomm)
O ISP Spectra do Snapdragon 8 Gen 2 trabalha junto ao coprocessador Hexagon de IA para ser o "primeiro ISP cognitivo do mundo" (Imagem: Qualcomm)

Trabalhando em conjunto com o Hexagon em um processo identificado pela empresa como Segmentação Semântica, a novidade consegue reconhecer e separar em diferentes camadas cada tipo de cena (animais, comida, plantas, pessoas), aplicando algoritmos de pós-processamento para cada uma na mesma foto ou vídeo de maneira independente. Mais do que isso, os efeitos são implementados em tempo real e podem ser vistos diretamente do preview do celular.

A Qualcomm trabalhou ainda com Sony e Samsung para otimizar sensores de câmera de ambas para o novo chipset. No caso da gigante japonesa, a plataforma irá estrear o suporte a sensores com tecnologia de quad digital overlap HDR, que basicamente consegue processar HDR com streams de quatro imagens diferentes, obtendo resultados superiores na hora de combiná-las para gerar a foto final.

A combinação do Spectra e do Hexagon conseguem identificar em tempo real diferentes aspectos da cena, aplicando algoritmos diferentes de pós-processamento para cada um deles (Imagem: Qualcomm)
A combinação do Spectra e do Hexagon conseguem identificar em tempo real diferentes aspectos da cena, aplicando algoritmos diferentes de pós-processamento para cada um deles (Imagem: Qualcomm)

Já a sul-coreana implementou otimizações específicas para o Snapdragon 8 Gen 2 no ISOCELL HP3, mais recente sensor de 200 MP da marca, que possivelmente pode estar presente no Samsung Galaxy S23 Ultra, segundo rumores.

Fecha o pacote de novidades o suporte ao codec AV1, que na plataforma será capaz de reproduzir vídeos em 8K HDR a 60 FPS. Não está claro, no entanto, se também haverá suporte a gravações com AV1.

5G Dual SIM simultâneo e Wi-Fi 7

O Snapdragon 8 Gen 2 conta ainda com aprimoramentos importantes no departamento de conectividade, com a chegada do modem 5G Snapdragon X70 e do processador de redes sem fio FastConnect 7800. Com o X70, o lançamento traz três principais novidades: um processador dedicado de IA, o "primeiro do mundo em um modem 5G"; o uso de quatro links de rede para acelerar os downloads de redes móveis; e o recurso de 5G Dual SIM Dual Active (DSDA).

O novo modem Snapdragon X70 é o primeiro da Qualcomm a suportar tecnologia DSDA, que mantém 5G ativo quando há uso de Dual SIM (Imagem: Qualcomm)
O novo modem Snapdragon X70 é o primeiro da Qualcomm a suportar tecnologia DSDA, que mantém 5G ativo quando há uso de Dual SIM (Imagem: Qualcomm)

A tecnologia DSDA é inédita na família Snapdragon e sua ausência era uma crítica recorrente, especialmente na linha premium. Essencialmente, a função permite que os dois chips SIM (eSIM ou físico) tenham acesso simultâneo a redes 5G, mantendo comunicação de alta velocidade mesmo que apenas uma das linhas esteja sendo usada no momento. Em comparação, no passado, caso o 5G estivesse ativado no SIM 1, o SIM 2 teria acesso apenas a redes 4G ou mais lentas.

Já o FastConnect 7800, que engloba Wi-Fi e Bluetooth, estreia na linha o suporte a redes Wi-Fi 7 — o protocolo de 7ª geração promete velocidades até 5 vezes maiores que o Wi-Fi 6, e 2,5 vezes maiores que o Wi-Fi 6E, principalmente em virtude do uso de canais mais largos de transmissão de dados. Segundo a Qualcomm, o Snapdragon 8 Gen 2 seria capaz de atingir taxas de transferência de impressionantes 5,8 Gbps (contra 3,6 Gbps do Snapdragon 8 Plus Gen 1).

O novo Fast Connect 7800 estreia o suporte a redes Wi-Fi 7, com velocidades de até 5,8 Gbps, e habilita conexão Dual Bluetooth (Imagem: Qualcomm)
O novo Fast Connect 7800 estreia o suporte a redes Wi-Fi 7, com velocidades de até 5,8 Gbps, e habilita conexão Dual Bluetooth (Imagem: Qualcomm)

Outros destaques incluem a latência "mais baixa em um chip para smartphone", de 2 ms mesmo em uso prolongado, a tecnologia High Band Simultaneous (HBS), que estabelece múltiplas conexões de Wi-Fi para turbinar a velocidade, e funcionalidade Dual Bluetooth.

Som melhorado com áudio espacial dinâmico

Nos últimos anos, a Qualcomm tem dado atenção especial para áudio, desenvolvendo soluções como a plataforma Snapdragon Sound, que atende não apenas o próprio processador da companhia, como também a empresas de dispositivo de som que buscam implementar recursos avançados com menos tempo de desenvolvimento. Essa plataforma chega ao Snapdragon 8 Gen 2 com um aprimoramento interessante: a estreia do áudio espacial dinâmico.

O Snapdragon 8 Gen 2 embarca tecnologia de áudio espacial dinâmico, que ajusta em tempo real o posicionamento do som com dados obtidos pelos fones (Imagem: Qualcomm)
O Snapdragon 8 Gen 2 embarca tecnologia de áudio espacial dinâmico, que ajusta em tempo real o posicionamento do som com dados obtidos pelos fones (Imagem: Qualcomm)

Conforme explica a empresa, quando um smartphone equipado com o novo chipset começa a reproduzir mídia otimizada para áudio espacial, o processador integrado do fone começa a coletar e enviar ao celular dados de movimentação da cabeça do usuário. Com as informações, o conjunto calcula então a posição do telefone em relação aos fones e ajusta dinamicamente o posicionamento do som para buscar oferecer uma experiência mais imersiva.

Snapdragon 8 Gen 2 chega a celulares ainda em 2022 (Imagem: Wallace Moté/Canaltech)
Snapdragon 8 Gen 2 chega a celulares ainda em 2022 (Imagem: Wallace Moté/Canaltech)

Snapdragon 8 Gen 2 chega ainda em 2022

Na apresentação, a Qualcomm garantiu que o Snapdragon 8 Gen 2 chegará ao mercado ainda em 2022, atendendo a todo o mercado global, como de costume. Nessa estreia, serão lançados smartphones de marcas como ASUS Republic of Gamers (ROG), Honor, iQOO, Motorola, Nubia, OnePlus, OPPO, Redmagic, Redmi, Sharp, Sony, Vivo Mobile, Xiaomi, MEIZU e ZTE, o que sugere que esses dispositivos devem ser disponibilizados primeiro na China, seguido então do restante do mundo nos próximos meses.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: