Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.667,21
    +929,37 (+2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Situação financeira piorou na pandemia para quase metade dos brasileiros, mostra Datafolha

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com a crise sanitária, o aumento do desemprego e a corrosão da renda, 45,6% dos brasileiros dizem que a situação financeira ficou mais difícil durante a pandemia do novo coronavírus, segundo pesquisa Datafolha.

Apenas 12,6% dos entrevistados dizem ter sentido uma melhora em sua condição. Outros 41,7% afirmam que a situação ficou como estava antes da chegada do vírus, segundo o levantamento, realizado nos dias 7 e 8 de julho.

A crise de saúde ressaltou a desigualdade de renda. Entre os mais pobres, aqueles com renda familiar de até dois salários mínimos (ou R$ 2.200, em valores de 2021), 54% relatam que a situação financeira se deteriorou.

Entre quem ganha de dois a cinco salários mínimos, 37% compartilham dessa percepção. No grupo com renda entre de cinco a dez salários mínimos, esse percentual cai ainda mais (25%). Para quem ganha acima de dez salários mínimos, 22% dizem que sua situação piorou.

A debacle financeira ao ter de enfrentar o vírus também foi maior para brasileiros de cor amarela (56%), preta (51%) e parda (46%) do que branca (42%).

Para 59% das famílias mais ricas, aliás, a vida ficou como estava, apesar dos desafios impostos pela pandemia. Para 19% deles, a situação até melhorou.

Um estudo recente, do banco Credit Suisse, aponta que o 1% no topo da pirâmide brasileira já concentra metade da renda, sendo que a distribuição piorou com a chegada da Covid-19 ao país.

Segundo edição recente do boletim Desigualdade nas Metrópoles, o coronavírus empurrou mais de 4,3 milhões de moradores das regiões metropolitanas para a faixa de renda do trabalho classificada como muito baixa, com renda por pessoa de até um quarto do salário mínimo.

As taxas recordes de desocupação que o país enfrenta nos últimos meses também pesaram sobre a percepção dos brasileiros. Entre fevereiro e abril, a taxa bateu em 14,7%, e o número de desempregados totalizou 14,8 milhões. Os dados integram a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os números apurados pelo Datafolha vão nesse sentido, ao mostrarem que, entre os brasileiros desempregados que buscam por uma nova colocação, 7 em cada 10 dizem que as coisas estão mais difíceis agora do que antes da pandemia.

O mesmo sentimento de piora é compartilhado por autônomos (51%), donas de casa (51%), estudantes (46%) e quem está parado, mas desistiu de buscar emprego (44%).

No caso do mercado de trabalho, os grupos com mais anos de estudo e maior renda foram os primeiros a sentir a recuperação da economia após a pandemia, lembra José Ronaldo Souza Júnior, do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

"A primeira reação da recuperação da economia foi o avanço do emprego para profissionais com mais instrução e com carteira assinada. A expectativa é que alcance mais pessoas, com a recuperação do setor de serviços, como turismo, com o avanço da vacinação", avalia.

Nesse sentido, a sensação de agravamento é maior para os que estudaram só até o ensino fundamental (51%), aponta o Datafolha. Essa mesma percepção ocorre em 40% dos que têm ensino superior.

A região Nordeste é onde essa sensação de piora é mais forte -a pandemia trouxe um aperto no bolso para 49% dos entrevistados. Em seguida, aparecem Sudeste (46%) e Sul (45%). Nas regiões Centro-Oeste e Norte, predominam os entrevistados que dizem não ter sentido mudanças (46%).

Não por acaso, quatro estados nordestinos estão entre os cinco estados onde o alto desemprego e a inflação elevada contribuem para uma redução do sentimento de bem-estar, segundo um estudo recente do economista Daniel Duque do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas).

"Apesar de um crescimento, de 1,2%, do PIB (Produto Interno Bruto) no primeiro trimestre, houve uma grande perda de empregos na pandemia que ainda não foi recuperada e isso ainda está relativamente distante de ocorrer", diz Duque.

O Datafolha também apontou que 39% disseram ter recebido o auxílio emergencial no ano passado. Entre os que receberam o benefício em 2020, 58% tinham sido contemplados também pela nova rodada deste ano, com valor reduzido.

"Quando o governo começou com o auxílio, apareceram os chamados invisíveis, pois não se sabia o tamanho da necessidade daquela política pública. A pandemia trouxe muitas famílias brasileiras ao centro do debate", diz Simon Schwartzman, ex-presidente do IBGE.

A pesquisa Datafolha ouviu 2.074 brasileiros em todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos