Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.594,71
    +142,72 (+0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,75
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Sistema de telepresença permite que humanos "virem robôs" à distância

Pesquisadores das Universidades Hanyang e Duksung, ambas na Coreia do Sul, desenvolveram um novo sistema de telepresença que permite que usuários humanos “incorporem” um robô humanoide e interajam com outras pessoas a quilômetros de distância.

Segundo os cientistas, o equipamento consiste em um monitor montado na cabeça do usuário — parecido com óculos de realidade virtual (RV) —, além de replicadores de movimento, voz e visão, possibilitando que a pessoa navegue virtualmente por ambientes remotos.

“Nosso sistema permite ao usuário assumir todas as funcionalidade do corpo de um robô humanoide para interagir com outros humanos e objetos em lugares distantes, como se estivessem fisicamente no local”, explica o professor de engenharia e coautor do estudo Jejoong Kim, no artigo publicado no site International Journal of Social Robotics.

Telepresença

O sistema de telepresença faz com que o usuário se sinta integrado ao corpo do robô, assumindo os movimentos de todas as partes mecânicas do bot, como tronco, cabeça, braços e pernas. Essa interação proporciona uma experiência de presença quase real em um ambiente remoto, segundo os cientistas.

Esquema de funcionamento do sistema de telepresença (Imagem: Reprodução/Hanyang University)
Esquema de funcionamento do sistema de telepresença (Imagem: Reprodução/Hanyang University)

Para avaliar a eficácia do sistema, os pesquisadores pediram para que alguns voluntários assumissem o papel de controladores do robô, enquanto outros foram instigados a interagir com esse bot, como se ele fosse uma imagem espelhada de seus operadores humanos.

“Quarenta participantes foram designados para funções de visitantes virtuais e atores presentes. Com isso, foi possível medir alguns níveis de interação, como usabilidade, contato visual, emoção, comunicação verbal e gestual entre o robô humanoide e as pessoas de carne osso”, acrescenta Kim.

Imagem e semelhança

Durante o experimento, os voluntários interagiram primeiro com um robô estático, que não podia ser movido pelos usuários. No segundo teste, o bot só virava a cabeça e fazia apenas alguns movimentos sincronizados com seus controladores. Já na terceira etapa, o robô replicava todas as ações de seu operador de forma espelhada.

Movimentos espelhados entre o robô e seu operador humano (Imagem: Reprodução/Hanyang University)
Movimentos espelhados entre o robô e seu operador humano (Imagem: Reprodução/Hanyang University)

Segundo os cientistas, os resultados mostraram que quando os usuários tinham um controle maior sobre o corpo robótico, com espelhamento total de movimentos, tanto o contato visual, quanto o estilo de comunicação emocional, verbal e gestual, apresentaram níveis maiores de interação entre o robô e uma pessoa de verdade.

“No futuro, esperamos que nosso sistema possa ser usado para aprimorar aplicativos de telepresença que envolvam a interação remota do usuário com outros humanos. Além disso, esse método também poderia inspirar a criação de dispositivos semelhantes, baseados em robôs humanoides mais avançados”, encerra o professor Jejoong Kim.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: