Mercado abrirá em 7 h 34 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,49
    +0,92 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.777,70
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    56.527,34
    -683,80 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,67
    -34,41 (-2,34%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.714,00
    +55,08 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    27.869,58
    -66,04 (-0,24%)
     
  • NASDAQ

    15.962,25
    +92,50 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4515
    +0,0047 (+0,07%)
     

Sistema de propulsão movido a iodo é testado pela 1ª vez no espaço

·3 min de leitura

Pela primeira vez, um satélite com um sistema de propulsão elétrica movido a iodo foi testado no espaço sob o comando da empresa francesa de tecnologia espacial ThrustMe. O objetivo é alcançar um substituto para o combustível convencional de xenônio — material que, além de raro, é bem mais caro para se produzir. Os primeiros resultados com o novo propelente revelam um caminho promissor para as futuras missões espaciais e para os muitos satélites na órbita da Terra.

Satélites, bem como as espaçonaves, dependem de sistemas de propulsão para realizar manobras no espaço para, por exemplo, ajustar suas posições e evitar colisões com outros objetos em órbita. O propelente mais comum destes sistemas é o xenônio, mas este elemento químico, além de raro na natureza, gera um alto custo de produção, e precisa de equipamentos específicos para seu armazenamento, uma vez que só pode ser guardado sob alta pressão.

Sistema de propulsão elétrico movido a iodo disparando plasma em uma câmara de vácuo (Imagem: Reprodução/ThrustMe)
Sistema de propulsão elétrico movido a iodo disparando plasma em uma câmara de vácuo (Imagem: Reprodução/ThrustMe)

Já o iodo, que possui uma massa atômica parecido com a do xenônio, é fácil de ser encontrado e o custo para sua produção é bem menor. Outra vantagem é que ele pode ser armazenado em seu estado sólido sem necessidade de pressurização — ao contrário do xenônio que é um gás —, o que já agilizaria os projetos de sistemas de propulsão. O sistema de propulsão elétrica desenvolvido pela ThrustMe utiliza apenas o iodo para impulsionar e manobrar satélites em órbita.

O sistema funciona da seguinte maneira: primeiro ele aquece o bloco sólido de iodo para transformá-lo em gás; em seguida, o gás é bombardeado por elétrons a uma altíssima velocidade e, assim, o gás se torna um plasma de íons de iodo e elétrons livres. Então, um aparelho com carga negativa acelera os íons positivos do plasma em direção ao escapamento, resultando no impulsionamento do satélite.

A ThrustMe enviou um CubeSat com 20 kg para o espaço em 6 de novembro de 2020 para avaliar o sistema de propulsão. O pequeno satélite foi colocado em uma órbita com 480 km de altitude, onde um total de 11 testes foram conduzidos até o dia 28 de fevereiro deste ano. A equipe responsável pelo projeto descobriu que o sistema baseado em iodo apresentou um desempenho melhor do que o baseado em xenônio, embora seja uma ligeira diferença.

O cofundador da empresa francesa, Dmytro Rafalskyi, destacou que, se o setor de exploração espacial quiser se tornar sustentável, sem criar tanto lixo espacial como ocorre atualmente, é necessário garantir sistemas de propulsão em todos os satélites. “Parece que o iodo é uma das maneiras de atingir esse objetivo”, acrescentou Rafalskyi. No entanto, existem alguns pontos negativos do uso do iodo que ainda precisam ser lapidados.

O iodo reage com boa parte dos metais, o que significa que a equipe precisou de cerâmicas e polímeros para proteger o sistema de propulsão. Ainda, o elemento em seu estado sólido leva cerca de 10 minutos para ser aquecido e convertido em gás, então ele não garante manobras rápidas em casos urgentes para se evitar colisões. De todo modo, o projeto lança luz em alternativas mais baratas e acessíveis de propelentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos