Mercado abrirá em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.756,53
    +433,87 (+1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Sindicatos querem levar questão alimentar à mesa de negociação salarial

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Preocupados com o efeito da carestia da comida sobre os trabalhadores, sindicatos querem levantar uma série de propostas para levar às campanhas salariais sobre a questão alimentar. O tema da fome, mesmo para famílias que têm emprego, deve ganhar destaque na negociações.

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, fala em alternativas de emergência para recompor o poder de compra. Seriam bônus temporários, aumento nos valores dos vales de alimentação e refeição, vale gás ou abonos emergenciais.

"Tem coisas que podem ser feitas sem indexação. Precisamos começar esse debate. Está afetando a alimentação da população", diz.

Segundo Torres, uma ideia seria elevar o tamanho das cestas básicas.

"Os que estão empregados têm solidariedade com parentes e amigos que não estão. Isso também aumenta a falta de alimento", diz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos