Mercado abrirá em 47 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,81
    +1,06 (+1,77%)
     
  • OURO

    1.722,90
    -10,70 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    51.570,61
    +2.771,17 (+5,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,11
    +42,01 (+4,25%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.673,51
    +59,76 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.150,50
    +95,25 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8719
    +0,0098 (+0,14%)
     

Sindicato busca retorno justo em mina valorizada da Antofagasta

James Attwood
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Se as conversas iniciais são algum indicador, as negociações salariais na mina de cobre da Antofagasta Plc’s serão difíceis, dando aos operadores do metal muito o que ponderar em um mercado apertado.

A empresa pertencente à família mais rica do Chile conseguiu escapar de greves em duas de suas outras minas no ano passado com acordos salariais de última hora que incluíam bônus de assinatura de mais de US$ 20.000 para cada trabalhador. Os riscos são maiores em Los Pelambres, ativo mais importante da Antofagasta.

Representantes da administração e do sindicato estão se preparando para sentar à mesa de negociações após cada lado ter entregue uma proposta inicial. Os líderes sindicais não ficaram impressionados, dizendo que a oferta está em desacordo com a categoria da mina como a maior operação do grupo, de menor custo e mais lucrativa.

“A empresa em sua resposta formal se limitou a respeitar apenas o piso mínimo, sem considerar nenhum dos pontos levantados pelo sindicato em sua proposta”, escreveram em carta aos mais de 400 associados.

As negociações em Los Pelambres são as últimas de uma série de negociações coletivas nas minas chilenas, que respondem por um quarto do cobre mundial. Até agora, o Chile conseguiu manter a produção durante a pandemia graças a algumas medidas, incluindo cortes de pessoal no local e mudanças nas rotações e turnos, com apenas uma mina de médio porte atingida por uma greve. Isso ajudou a manter as refinarias chinesas abastecidas em um momento de forte demanda e preços elevados.

Mas os altos preços, os lucros e os sacrifícios de trabalhar durante a pandemia deram aos sindicatos munição na mesa de negociações. Em relatório do último trimestre, a Antofagasta gabou-se de que Los Pelambres teve um ano forte, com produção no topo de sua estimativa e custos superando as previsões, o que deve ser usado por líderes sindicais para justificar aumentos e bônus.

Por outro lado, as mineradoras estão tentando conter os custos, com os altos preços do cobre ainda vulneráveis a contratempos na demanda, enquanto o mundo luta para se livrar da pandemia.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.