Mercado fechará em 5 h 43 min
  • BOVESPA

    120.133,27
    +836,14 (+0,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,18
    +532,47 (+1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,56
    +1,38 (+2,29%)
     
  • OURO

    1.736,40
    -11,20 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    63.033,17
    +162,89 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.354,35
    -21,43 (-1,56%)
     
  • S&P500

    4.146,83
    +5,24 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    33.843,84
    +166,57 (+0,49%)
     
  • FTSE

    6.924,17
    +33,68 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.956,00
    -19,75 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7919
    -0,0393 (-0,58%)
     

Síndica de prédio de luxo e amante são presos no Rio por assassinato de morador

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Momento em que Carlos Eduardo é assassinado - Foto: Reprodução/TV Globo
Momento em que Carlos Eduardo é assassinado - Foto: Reprodução/TV Globo

A síndica de um prédio de luxo no Rio de Janeiro e seu amante foram presos pela Polícia Civil nesta terça-feira, acusados de assassinato. Eles seriam os responsáveis pela morte do empresário Carlos Eduardo Monttechiari, morador do prédio, em fevereiro.

Foi o que apontou a investigação conduzida pela polícia e divulgada pela TV Globo. A 27ª DP da capital fluminense concluiu que Carlos Eduardo foi assassinado porque acusou de desvio de dinheiro Priscilla de Oliveira, síndica do condomínio London Green Park, na Barra da Tijuca.

Leia também:

Ex-síndico do próprio condomínio e rival de Priscilla, ele teria descoberto o esquema e marcado para 5 de fevereiro uma reunião de moradores para apresentar a denúncia. Quatro dias antes, porém, foi baleado na Zona Norte da cidade. Carlos Eduardo chegou a ser hospitalizado, mas morreu no dia seguinte.

“A vítima descobriu, com notas fiscais falsas ou fantasmas, que estavam sendo desviados mais de R$ 800 mil do orçamento do condomínio”, explicou o delegado Renato Carvalho.

Inicialmente, a polícia tratou o caso como latrocínio, mas a investigação apontou que os disparos foram feitos por Leonardo Lima, supervisor contratado pelo condomínio, casado e amante de Priscilla.

As imagens feitas por uma câmera de segurança no local do assassinato mostraram que o carro de onde o atirador saiu tinha um amassado na lataria. Após rastrear o automóvel, a polícia descobriu que ele pertencia à esposa de Leonardo.

Ao receber voz de prisão nesta terça, o suspeito tentou escapar, mas foi preso na Avenida das Américas, no mesmo carro utilizado no dia do crime. Priscilla também foi detida. Ambos ficarão sob custódia por 30 dias, até que as investigações sejam concluídas.