Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    47.978,66
    -1.895,66 (-3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Signal vai contratar mais pessoal após salto em downloads

Munsif Vengattil e Eva Mathews
·2 minuto de leitura
Ilustração do logotipo da Signal

Por Munsif Vengattil e Eva Mathews

BANGALORE, Índia (Reuters) - O aplicativo de mensagens Signal teve um crescimento "sem precedentes" após a polêmica atualização nos termos de privacidade do WhatsApp e pretende contratar mais funcionários para reforçar o serviço e a infraestrutura de suporte, disse o chefe de sua controladora nesta quarta-feira.

Junto com outro aplicativo criptografado, o Telegram, o Signal tem sido o principal beneficiário da indignação online em torno das mudanças anunciadas na semana passada pelo WhatsApp, que exigem que os usuários compartilhem seus dados com o Facebook e o Instagram.

O Telegram disse nesta quarta-feira que ultrapassou 500 milhões de usuários ativos globalmente.

Brian Acton, que co-fundou o WhatsApp antes de vendê-lo ao Facebook e depois fundou a Signal Foundation, se recusou a fornecer dados equivalentes para o Signal, mas disse que a expansão nos últimos dias foi "vertical".

"Vimos um crescimento sem precedentes na semana passada", disse Acton à Reuters. "É seguro dizer que por causa desse crescimento recorde, estamos ainda mais interessados em encontrar pessoas talentosas."

Ele afirmou que a Signal está trabalhando para melhorar as funções de vídeo e chat em grupo, permitindo ao app competir melhor com WhatsApp, Microsoft Teams e outros aplicativos de videoconferência.

O Signal foi baixado por 17,8 milhões de usuários nos últimos sete dias, um aumento de 62 vezes em relação à semana anterior, de acordo com dados da empresa de pesquisa de mercado Sensor Tower. O WhatsApp foi baixado por 10,6 milhões de usuários durante o mesmo período, uma queda de 17%.

Defensores dos direitos à privacidade se indignaram com as mudanças no WhatsApp, apontando para o que eles dizem ser um histórico ruim do Facebook em apoiar os interesses dos consumidores ao lidar com seus dados, com muitos sugerindo que os usuários migrem para outras plataformas.

A Signal Foundation, sem fins lucrativos, sediada no Vale do Silício, que atualmente é responsável pelo aplicativo, foi lançada em fevereiro de 2018 com Acton fornecendo um financiamento inicial de 50 milhões de dólares.

Desde então, a Signal recebeu doações. O presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, está entre os apoiadores do aplicativo e Acton disse que não há planos de buscar fontes diferentes de financiamento.

"Milhões de pessoas valorizam a privacidade o suficiente para sustentá-la e estamos tentando demonstrar que há uma alternativa aos modelos de negócios baseados em anúncios que exploram a privacidade do usuário", disse Acton, acrescentando que as doações continuam "chegando".