Mercado fechará em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    118.821,13
    +1.440,64 (+1,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.658,13
    -468,38 (-1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,71
    -0,06 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.853,40
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    31.850,90
    -517,39 (-1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    639,97
    -7,36 (-1,14%)
     
  • S&P500

    3.860,58
    +5,22 (+0,14%)
     
  • DOW JONES

    31.028,40
    +68,40 (+0,22%)
     
  • FTSE

    6.671,26
    +32,41 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.502,00
    +26,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5590
    -0,0772 (-1,16%)
     

Sierra Nevada adia primeira missão do avião espacial Dream Chaser para 2022

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

Parece que o avião espacial Dream Chaser, da empresa Sierra Nevada Corporation, não irá “esticar” suas asas tão cedo: devido aos impactos causados pela pandemia do novo coronavírus, a empresa comunicou que a primeira missão do veículo ficará para 2022, sendo que poderia ocorrer ainda neste ano conforme o cronograma anterior. Contudo, executivos da empresa informaram que, apesar dos atrasos, continuam com o foco no plano de longo prazo com versões tripuladas e de transporte de cargas com o avião.

O Dream Chaser é um veículo de transporte de cargas que foi selecionado pela NASA para, futuramente, ajudar no abastecimento da Estação Espacial Internacional (ISS) — isso junto da nave Dragon, da SpaceX, e das cápsulas Cygnus, da Northrop Grumman. No cronograma inicial, era planejado que o avião fizesse seu primeiro de seis voos para o transporte de cargas para a estação orbital no final deste ano. Muito da mudança veio em função da pandemia: “a COVID definitivamente teve seu papel no atraso”, explicou Steve Lindsey, vice-presidente sênior de estratégia na empresa. Um exemplo apontado por ele foram os testes estruturais do módulo de carga nas instalações da empresa em San Diego, que não puderam ser acompanhados pelos engenheiros devido às restrições locais para conter o avanço da doença.

Futuramente, a Sierra Nevada tem planos para tornar o avião tripulado (Imagem: Reprodução/NASA/Sierra Nevada Corp.)
Futuramente, a Sierra Nevada tem planos para tornar o avião tripulado (Imagem: Reprodução/NASA/Sierra Nevada Corp.)

Então, eles desenvolveram um sistema para que os testes pudessem ser acompanhados remotamente — que trouxe o inconveniente de demorar de três a quatro vezes mais do que deveria. Lindsey também apontou problemas envolvendo os fornecedores, que acabaram suspendendo as operações devido a surtos da doença nas instalações. Mesmo assim, se mostrou otimista: “vamos continuar lutando através dos desafios da COVID, construir o avião e colocá-lo para voar assim que pudermos fazer isso com segurança”, disse. Agora, o teste vai ficar para o ano que vem, embora a empresa ainda não tenha decidido nenhuma data específica, já que vai depender tanto do desenvolvimento do veículo quanto do “modelo de tráfego” da NASA para veículos visitantes.

Além disso, a Sierra Nevada segue também com planos para levar humanos para a Lua e, eventualmente, Marte. Neeraj Gupta, diretor de programa na empresa, comentou que a Sierra Nevada tem uma forte visão de futuro com a tecnologia que vem trabalhando: “o que realmente vemos é essa economia espacial vibrante se desenvolvendo”. Vale lembrar que a nave Dream Chaser foi desenvolvida para tornar as viagens espaciais mais acessíveis, porque pode pousar em qualquer pista que comporte um Boeing 737. O primeiro Dream Chaser recebeu o apelido de Tenacity e já está com desenvolvimento caminhando para o fim; outro veículo também está em produção, e ambos deverão realizar 15 missões.

Além de reutilizável, o avião também tem características modulares que permitem levar e trazer cargas variadas, que seriam facilmente acessadas depois do pouso. Com o contrato com a NASA para realizar missões na ISS, a empresa precisa manter o compromisso com o projeto, mas também está atenta a possíveis clientes que possam aparecer: “acreditamos que a demanda de mercado existe”, finaliza Lindsey.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: