Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.027,55
    +3.252,98 (+3,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,89
    +918,73 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,90
    +1,33 (+2,03%)
     
  • OURO

    1.769,80
    -14,50 (-0,81%)
     
  • BTC-USD

    56.941,37
    -5,50 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.448,27
    +9,38 (+0,65%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    16.000,00
    +130,25 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3758
    -0,0710 (-1,10%)
     

Siemens Energy e Andrade Gutierrez obtêm contrato de US$1,1 bi para usina no Brasil

·1 min de leitura

FRANKFURT (Reuters) - A Siemens Energy e o conglomerado Andrade Gutierrez ganharam um contrato de 1 bilhão de euros (1,1 bilhão de dólares) para construir uma usina de ciclo combinado de 1,7 gigawatt no Brasil, anunciou o grupo alemão nesta terça-feira.

O contrato foi obtido pela Gas Natural Acu (GNA), uma joint venture da Siemens Energy, BP, Prumo Logística e a chinesa State Power Investment Corp, e é o pedido de acompanhamento para uma primeira usina, GNA I, que entrou em operação em meados do ano.

A Siemens Energy, que foi desmembrada da Siemens AG no ano passado, não divulgou o valor do contrato para o GNA II, que entrará em operação em 2023.

Uma pessoa com conhecimento do assunto disse que a cota do grupo ronda os 750 milhões de euros, que abrange uma turbina a vapor, quatro geradores elétricos e três geradores a vapor com recuperação de calor.

A Siemens Energy também fornecerá operação e manutenção de longo prazo da usina, disse.

Com 3 gigawatts de capacidade instalada combinada, as duas usinas são o maior projeto de energia movido a gás natural liquefeito (GNL) super-resfriado da América Latina, produzindo energia suficiente para até 14 milhões de residências.

“Este projeto é estratégico, não só pela grandiosidade, mas também pela localização geográfica, próximo aos dois principais sistemas de gasodutos do Brasil, no Nordeste e no Sudeste do país”, disse o membro da diretoria da Siemens Energy Jochen Eickholt.

"E não se esqueçam: nossas turbinas a gás para GNA II estão prontas para queimar hidrogênio no futuro."

(Reportagem de Christoph Steitz)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos