Mercado fechado

Siemens avalia comprar fatia de Iberdrola na Siemens Gamesa

Eyk Henning e Oliver Sachgau
1 / 2

Siemens avalia comprar fatia de Iberdrola na Siemens Gamesa

(Bloomberg) -- A Siemens avalia comprar a participação de 8% da Iberdrola na fabricante de turbinas eólicas Siemens Gamesa Renewable Energy para elevar seus investimentos em energia, de acordo com pessoas a par do assunto.

A Siemens poderia pagar um prêmio de 720 milhões de euros (US$ 793 milhões) em relação ao valor atual, o que elevaria a fatia para cerca de 67%, disseram duas das pessoas, que não quiseram ser identificadas porque o assunto é confidencial. A decisão de adquirir o restante das ações em circulação da Siemens Gamesa também seria possível em uma data posterior, disseram as pessoas. Nenhuma decisão foi tomada e não há certeza de que as deliberações possam levar à compra, disseram.

Representantes da Siemens e Iberdrola não quiseram comentar. Uma porta-voz da Siemens Gamesa disse que não poderia fazer comentários imediatos.

A Siemens planeja a separação de sua unidade de energia e gás - chamada Siemens Energy -, que terá uma participação de 59% na Siemens Gamesa. A aquisição de todo o capital da Siemens Gamesa simplificaria a operação e a estrutura da futura separação da unidade.

O CEO da Siemens, Joe Kaeser, disse em entrevista no início do mês que pretende eliminar cerca de 75% da divisão de energia ao longo do tempo. A unidade de energia e gás é a maior divisão da Siemens em termos de receita, mas possui a menor margem de lucro. A empresa enfrenta há anos uma queda nos pedidos globais de usinas termelétricas.

Kaeser separou várias unidades do grupo nos últimos anos, incluindo energia renovável e assistência médica. Em 2016, a Siemens e ex-rival Gamesa Corp Technologica fecharam um acordo que uniu as operações de turbinas eólicas da gigante alemã com as da empresa espanhola em troca de uma participação.

A parceria nem sempre foi tranquila, com sinergias aquém do necessário para compensar os preços mais baixos das turbinas, o aumento da concorrência e a queda da demanda. Os atritos vieram à tona no fim de 2017, quando o presidente da Iberdrola, Ignacio Galán, disse: “Não podemos estar felizes com uma empresa cujo valor diminuiu mais de 50% em seis meses”.

--Com a colaboração de Rodrigo Orihuela e Charles Penty.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Eyk Henning Frankfurt, ehenning1@bloomberg.net;Oliver Sachgau em Munich, osachgau@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Kenneth Wong, kwong11@bloomberg.net, Tara Patel, Ben Scent

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

©2019 Bloomberg L.P.