Mercado abrirá em 3 h 28 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,57
    -0,20 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.854,90
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    31.758,51
    -609,77 (-1,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    641,91
    -34,99 (-5,17%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.673,10
    +34,25 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.412,00
    -63,50 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Siderúrgicas dos EUA defendem manutenção de tarifas de aço impostas por Trump

·1 minuto de leitura
Trabalhador em siderúrgica

WASHINGTON (Reuters) - Siderúrgicas dos Estados Unidos defenderam nesta segunda-feira que o presidente-eleito, Joe Biden, mantenha as tarifas de 25% para importação de aço criadas no governo de Donald Trump em 2018, argumentando que são essenciais para garantir a viabilidade da produção nacional.

Em uma carta a Biden, o Instituto Americano de Ferro e Aço, a Associação de Produtores de Aço, a central sindical United Steelworkers e outras entidades de setores consumidores da liga disseram que a indústria está começando a se recuperar da crise causada pela pandemia e que permanece "muito vulnerável​" a novos aumentos de importações.

Os grupos disseram que o excesso de capacidade siderúrgica global, de 700 milhões de toneladas, deve crescer em um momento em que China, Vietnã, Turquia e outros países elevam produção. As exportações de aço de Coreia do Sul, Rússia, Ucrânia e Indonésia também continua a aumentar, disseram os grupos.

"A continuidade das tarifas e cotas é fundamental para garantir a viabilidade da indústria siderúrgica nacional diante deste enorme e crescente excesso de capacidade de aço", afirmaram as entidades no texto.

"A remoção ou enfraquecimento destas medidas antes que os principais países produtores eliminam seu excesso de capacidade e subsídios e outras políticas que distorcem o comércio...só vai levar a um novo aumento nas importações com efeitos devastadores para os produtores de aço nacionais e seus trabalhadores."

Biden disse à United Steelworkers em maio passado que ele manterias as tarifas de Trump sobre aço e alumínio até que uma solução global para o excesso de capacidade de produção seja negociada. Desde então, Biden disse que não fará nenhuma alteração nas tarifas até depois de consultar aliados dos EUA.