Mercado fechará em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,78
    +1,77 (+2,46%)
     
  • OURO

    1.797,40
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    16.840,41
    +37,23 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,90
    -6,13 (-1,53%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.486,73
    -2,46 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.548,00
    +38,50 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5044
    +0,0380 (+0,70%)
     

Shopee, Wish e AliExpress podem ficar 60% mais caras; entenda

Shopee: produtos devem ficar 60% mais caros (Getty Image)
Shopee: produtos devem ficar 60% mais caros (Getty Image)
  • Gestão Bolsonaro quer taxar compras de pequeno valor em aplicativos;

  • Medida provisória é uma resposta a pressão de empresários como Luciano Hang;

  • Compras internacionais devem ficar mais caras e burocráticas para o consumidor brasileiro.

Amantes de compra digitais podem pagar mais em produtos internacionais. A gestão de Jair Bolsonaro prepara uma uma medida provisória para taxar produtos de baixo valor que são vendidos em aplicativos internacionais, como a Shopee, Wish e Shein.

O governo federal deverá realizar a mudança a pedido de empresários brasileiros liderados por Luciano Hang, dono da rede Havan. Eles acreditam que pagam mais impostos do que essas plataformas.

Com a nova tributação, todo produto que custa menos de 50 dólares (aproximadamente 250 reais) passaria a custar 60% mais caro. Com as leis atuais. essas plataformas de marketplace oferecem a opção para o consumidor fazer compras sem ser tributado caso gaste apenas dentro do limite estabelecido pela legislação.

“Comprar produtos do exterior por aplicativo deve se tornar mais burocrático, caro e demorado, retraindo a relação de consumo do brasileiro. E talvez o custo-benefício para o serviço alfandegário e do fisco nem valha a pena, com maior volume de produtos de pequeno valor para classificar, controlar e fiscalizar”, avalia Douglas Herrero, sócio-diretor do IBGPT, em entrevista ao site da Exame.

A Receita Federal pretendia implementar a nova regra ainda em abril. No entanto, o governo ainda não conseguiu instituir a mudança. Ainda que seja publicada em maio, deve ocorrer um tempo de transição de cerca de 90 dias para que o fisco e as empresas se adaptem às novas taxações.

A medida é vista como prioritária na equipe econômica da gestão Bolsonaro. Outra possibilidade é tributar todas as importações feitas por pessoas físicas independentemente do valor.