Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.263,10
    +78,20 (+0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Sheryl Sandberg, número dois da Meta (Facebook), renuncia

"Depois de 14 anos, vou deixar a Meta", anunciou no Facebook nesta quarta-feira (1) Sheryl Sandberg, diretora de operações da gigante americana das redes sociais, que permanecerá na diretoria da empresa.

Ela assegurou que estes anos "ao lado de Mark" Zuckerberg, presidente e cofundador da rede social, foram "um privilégio" em um momento em que o grupo californiano é criticado por políticos e organizações da sociedade civil por seu modelo de negócios.

"É o fim de uma era", comentou o milionário em seu perfil no Facebook, ao mesmo tempo em que lembrou que em 2008, quando contratou Sandberg, ele tinha 23 anos e não sabia "nada sobre gerenciar empresas".

Ela tinha 38 anos e uma carreira em organizações de prestígio como o Banco Mundial e a consultoria McKinsey. Também passou pelo Departamento do Tesouro como diretora de pessoal e na Google como vice-presidente encarregada de vendas internacionais e operações.

A Meta informou à AFP que Javi Olivan será o novo diretor de operações, mas Zuckerberg não prevê substituir o cargo de Sandberg tal como era.

O modelo econômico da Meta, baseado em publicidade dirigida e em larga escala, que requer muitos dados pessoais, provoca controvérsias em série desde 2016.

Muitas autoridades a acusam de abuso de posição dominante, assim como sua vizinha, Google, líder mundial em publicidade digital.

gc/jm/aa/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos