Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,92
    +0,72 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.764,40
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    16.852,16
    +660,85 (+4,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,58
    +11,85 (+3,05%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.141,56
    -63,12 (-0,35%)
     
  • NIKKEI

    27.835,75
    -192,09 (-0,69%)
     
  • NASDAQ

    11.521,25
    -3,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4651
    +0,0085 (+0,16%)
     

Shell e Unicamp vão desenvolver agave para produção de biocombustíveis no sertão

Logo da Shell

(Reuters) - A Shell e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) firmaram uma parceria para o desenvolvimento do agave, cultivar típico do sertão brasileiro, como nova fonte de biomassa, e há planos também da construção de plantas-piloto de processamento e refino a serem instaladas na Bahia, para produção de biocombustíveis.

O programa denominado Brave (Brazilian Agave Development) receberá um investimento de 30 milhões de reais, disse Shell em nota nesta quinta-feira.

Segundo a companhia, o potencial produtivo do agave se assemelha ao encontrado na cana-de-açúcar cultivada em outras regiões do Brasil.

O objetivo é tonar o agave mais uma fonte eficiente e produtiva, capaz de capturar e armazenar grandes quantidades de carbono.

O desenvolvimento do Brave contempla soluções biológicas para a melhoria da produtividade, adaptabilidade e resistência do agave, assim como a criação, pela primeira vez no mundo, segundo a Shell, de equipamentos para plantio e colheita deste cultivar.

"Queremos ajudar a criar tecnologia para um novo conceito de produção de bioenergia no país, que pode viabilizar o surgimento de uma nova cadeia industrial colocando o Sertão Brasileiro como potencial polo produtor de biocombustíveis para o mundo", disse, em nota, Alexandre Breda, gerente de Tecnologia de Baixo Carbono da Shell Brasil.

O programa tem duração prevista de cinco anos e está alinhado à estratégia global de descarbonização da Shell, que tem entre os seus pilares centrais alcançar emissões líquidas zero até 2050.

(Por Rafaella Barros)