Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.421,31
    +4.247,79 (+7,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Shell Brasil planeja investir R$3 bi até 2025 em projetos de energia renovável

·2 minuto de leitura
Marca da Shell em posto

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A petroleira anglo-holandesa Shell planeja investir 3 bilhões de reais até 2025 em projetos integrados de energia renovável no Brasil, sendo a maior parte para o desenvolvimento de empreendimentos solares, afirmaram executivos da companhia nesta terça-feira.

Atualmente, a empresa tem seis projetos solares em desenvolvimento, com capacidade de geração de mais de 2 GW, e prevê atingir aproximadamente 5 GW até o fim deste ano.

"O foco principal é o desenvolvimento do negócio solar, que são os projetos mais avançados", afirmou o diretor de Renováveis e Soluções de Energia da Shell Brasil e Shell Energy, Guilherme Perdigão.

Também estarão no foco desses aportes nos próximos anos o desenvolvimento da térmica Marlim Azul, que será movida a gás natural do pré-sal em Macaé (RJ), possíveis novos projetos de geração a gás e a expansão de sua capilaridade comercial, dentre outros.

Dentre os projetos solares, Perdigão citou um termo de cooperação anunciado recentemente para a criação de uma joint-venture com a Gerdau, para o desenvolvimento de um parque fotovoltáico em Brasilândia de Minas (MG). Uma decisão de investimento poderá ser tomada até o fim deste ano.

"Estamos dispostos a fazer novos investimentos em joint-ventures de geração de energia limpa", disse Perdigão, durante coletiva de imprensa digital para o lançamento da Shell Energy no Brasil, segmento da empresa voltado à descarbonização, energia limpa e produtos ambientais.

O negócio Shell Energy Brasil irá produzir e comercializar energia elétrica limpa por usinas solares e eólicas, e energia de baixo carbono por térmicas a partir do gás, além de oferecer produtos ambientais como Certificados de Energia Renovável e compensações de carbono.

A empresa buscará um portfólio diversificado, atendendo tanto mercado regulado quanto mercado livre.

Perdigão ressaltou que a Shell vê o Brasil como uma das quatro regiões prioritárias para atuação da Shell Energy, juntamente com Estados Unidos, Austrália e Europa Ocidental.

DESENVOLVIMENTO E OUTRAS FRENTES

Em outra frente de atuação, a Shell planeja iniciar neste ano campanha para o desenvolvimento de projetos de geração eólica offshore (no mar), disse a gerente de Desenvolvimento de Renováveis da companhia na América Latina, Gabriela Oliveira.

"Temos toda essa experiência fora do Brasil com essa fonte e visamos começar esse desafio no Brasil", disse Oliveira.

Segundo a executiva, a empresa tem buscado contribuir com marco regulatório sobre o tema em desenvolvimento pelo governo federal.

O presidente da Shell Brasil, Andre Araujo, participou da abertura da coletiva, onde reforçou o interesse da Shell no Brasil e destacou que tem sido um período de muitas atividades.

"O Brasil é sempre uma caixa de surpresas, tem como em qualquer lugar uma série de volatilidades, mas o grupo Shell está buscando oportunidades de crescimento em diversas áreas, eventualmente não tradicionais", completou.

(Por Marta Nogueira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos