Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,68
    +0,18 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.771,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    23.353,23
    -2,26 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,74
    +1,01 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.526,00
    +2,75 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2349
    -0,0243 (-0,46%)
     

Shell aporta US$40 mi em desenvolvedora de projetos de créditos de carbono no Brasil

FOTO DO ARQUIVO: Ilustração mostra logotipo da Shell e gráfico de ações

(Corrige após empresa esclarecer que o aporte foi de US$40 milhões)

Por Rafaella Barros

(Reuters) -A Carbonext, desenvolvedora de projetos de geração de créditos de carbono, recebeu um aporte de 40 milhões de dólares da Shell Brasil, para empreendimentos de preservação ambiental e o desenvolvimento de novas áreas de negócio, informaram as empresas nesta segunda-feira.

Com o aporte, a Shell Brasil passa a ser sócia minoritária da empresa, que possui projetos de preservação em mais de 2 milhões de hectares da Floresta Amazônica, espalhados por cinco Estados: Amazonas, Acre, Pará, Mato Grosso e Maranhão.

A desenvolvedora é responsável por mapear e monitorar essas áreas florestais, pertencentes a empresas que buscam capitalizar o mercado de carbono. A partir daí, são gerados créditos que ela vende ao mercado.

A sociedade na Carbonext vai contribuir para a Shell atingir o objetivo de zerar suas emissões líquidas de carbono no mundo até 2050.

"Não é de hoje que a Shell defende a criação e regulação do mercado de carbono. Associar nossa companhia à Carbonext é um passo importante para nossa meta de compensar 120 milhões de toneladas de CO₂ ao ano até 2030 com soluções baseadas na natureza para escopo 3 (emissões indiretas), difíceis de se abaterem", disse o presidente da Shell Brasil, André Araujo, em nota.

O aporte da Shell faz parte de uma segunda rodada de captação de recursos da Carbonext, que continua em andamento. O valor aportado pela empresa é quase sete vezes o total de 30 milhões de reais captados pela desenvolvedora na primeira rodada, em 2021.

Com o investimento, a Shell terá preferência nas negociações para adquirir créditos de carbono da Carbonext, que os venderá a preços de mercado para a companhia de energia, apesar da participação na empresa.

Economista e CEO da Carbonext, Luciano Corrêa da Fonseca afirma que a parceria vai permitir principalmente a troca de conhecimento e de tecnologias que serão usadas nos projetos.

"Uma dessas tecnologias serão satélites de alta definição da Shell. A gente tem alguns e vai passar a ter acesso aos dela também, que permitirão verificar se uma área está tendo desmatamento ou não", disse Fonseca.

A Carbonext também terá acesso a torres de medição de fluxos de carbono e a uma tecnologia chamada e-DNA, capaz de identificar materiais genéticos de qualquer espécie, permitindo, assim, a elaboração de inventários da biodiversidade local, que poderá ser contabilizada na precificação dos créditos.

"A evolução do mercado de carbono tende a considerar a biodiversidade no preço. Então, isso pode ser um elemento que vai agregar valor ao projeto", disse Fonseca.

Segundo ele, a Shell está sendo a líder nessa captação de recursos, mas outras empresas, de outros setores, "vão seguir esse caminho".

(Reportagem de Rafaella Barros; edição de Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos