Mercado fechará em 4 h 10 min
  • BOVESPA

    110.215,96
    +814,55 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.609,61
    -189,85 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,80
    -0,13 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.790,70
    +9,40 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    16.986,95
    -232,15 (-1,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,57
    -1,23 (-0,31%)
     
  • S&P500

    3.985,21
    -13,63 (-0,34%)
     
  • DOW JONES

    33.911,39
    -35,71 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.559,90
    -7,64 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.763,00
    -42,75 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5038
    -0,0296 (-0,53%)
     

Shakes proteicos são ultraprocessados e podem significar risco à saúde

Com a propaganda de serem práticas e saborosas, ocupando o espaço de um lanche a ser consumido durante o dia, as bebidas lácteas com proteína — ou shakes proteicos — vêm fazendo sucesso, sendo um consumível atualmente da moda. O problema, apontam especialistas em nutrição, como Juliana Sicchieri, é que os produtos são ultraprocessados, ou seja, trazem diversos aditivos químicos consigo.

Ao R7 Saúde, a nutricionista e doutoranda da USP comenta que a praticidade tem sido a principal moeda de venda para tais bebidas. Apelando principalmente a um público mais jovem, essa comunicação apresenta os shakes proteicos como fontes rápidas e fáceis de proteína. A pesquisadora reitera, no entanto, que essas bebidas não são uma alternativa adequada para a população em geral.

Bebidas lácteas com proteína contêm soro de leite, mas muitos aditivos cosméticos que as tornam ultraprocessadas (Imagem: LightFieldStudios/Envato)
Bebidas lácteas com proteína contêm soro de leite, mas muitos aditivos cosméticos que as tornam ultraprocessadas (Imagem: LightFieldStudios/Envato)

O que são os ultraprocessados?

De acordo com o Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde (Nupens), alimentos ultraprocessados são todos os que recebem adição de corantes, aromatizantes, espessantes e demais aditivos cosméticos, cujo objetivo é conferir propriedades sensoriais semelhantes às dos alimentos naturais nos quais são baseados. Elas podem ser sabor, cor, textura ou aroma.

Como qualquer aditivo cosmético já caracteriza um alimento como ultraprocessado, ele pode ter 1 ou 50 deles. Em bebidas lácteas com proteína, o soro do leite é o ingrediente natural que fornece a substância proteica propagandeada — há, no entanto, diversos aditivos junto a ela, como aromatizantes, espessantes e amido modificado. Este último dá textura mais densa à bebida, e é geralmente o que a caracteriza como ultraprocessada.

Outro elemento utilizado na propaganda dos shakes proteicos é o "zero açúcar". Embora realmente não sejam acrescidas da substância, algumas bebidas têm edulcorante sucralose na composição, um tipo de açúcar artificial fabricado com base na cana-de-açúcar que não contém calorias. Não é por isso, no entanto, que o produto seja necessariamente saudável, ou mais saudável do que a versão com açúcar comum.

O
O "zero açúcar" de muitos alimentos ultraprocessados também pode enganar (Imagem: twenty20photos/envato)

Perigos ao corpo

O edulcorante sucralose ainda é um aditivo químico, um adoçante que dá uma característica cosmética ao produto (dulçor, nesse caso), também o tornando ultraprocessado. O Guia Alimentar para a População Brasileira indica evitar o consumo de ultraprocessados, principalmente por parte das crianças. Hábitos alimentares da infância costumam perdurar por toda a vida, então evitar esse consumo desde cedo pode promover uma alimentação saudável vitalícia e ainda evitar doenças.

Esses produtos têm um perfil nutricional menor do que alimentos naturais, então uma criança que se alimente apenas deles, apesar de não ter malefícios diretos pelo consumo, pode desenvolver uma deficiência de macronutrientes e micronutrientes, fundamentais para crescimento, do desenvolvimento cognitivo e da saúde. Em adultos, há algumas evidências de que o excesso de ultraprocessados possa causar hipertensão, depressão, colesterol alto, diabetes, câncer de mama e outros, distúrbios gastrointestinais e doença de Crohn.

Outro problema é que as bebidas lácteas podem desregular o controle de saciedade: nosso corpo tem mais dificuldade para entender saciedade quando o alimento consumido é bebido e não mastigado, confundindo o organismo nas refeições. Ademais, há alternativas para o consumo de shakes proteicos, já que é de fato importante consumir proteínas no dia a dia.

Uma solução para consumir alimentos proteicos sem serem ultraprocessados? Beber leite! (Imagem: SergioPhotone/Envato Elements)
Uma solução para consumir alimentos proteicos sem serem ultraprocessados? Beber leite! (Imagem: SergioPhotone/Envato Elements)

Alternativas para o consumo de proteína

Uma opção é simplesmente beber leite, que substitui tais bebidas e pode até ter mais proteína do que elas. Um iogurte também pode suprir essa necessidade, e com menos aditivos alimentares na composição. Outra alternativa são as plantas alimentícias não convencionais (pancs), fontes naturais de proteínas disponível na natureza e com menos produtos agrícolas.

Por fim, há as proteínas de origem animal que consumimos normalmente, como ovo, queijo, frango, e atum, por exemplo. Um sanduíche com ricota, ou com patê de frango, ou um ovo mexido podem constituir um lanche melhor aproveitável do que um shake proteico. Para descobrir se uma bebida é ultraprocessada, há uma dica boa: caso um ingrediente do rótulo seja desconhecido e nem sequer utilizado na cozinha de casa, é provável que seja um aditivo químico cosmético.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: