Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.666,75
    +1.097,97 (+3,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Setor siderúrgico melhora estimativas de produção e vendas de aço para o ano

·3 minuto de leitura
Vista de trabalhador numa usina siderúrgica.

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria siderúrgica elevou previsões de desempenho para 2021, animada com a demanda pela liga vinda de vários setores, incluindo construção civil, máquinas e equipamentos e veículos pesados, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo órgão que representa o setor.

O Aço Brasil estimou atualizou a expectativa divulgada em maio de aumento na produção de aço bruto no país neste ano, de 11,3% para 14%, a 35,8 milhões de toneladas. A entidade também elevou a previsão de crescimento das vendas no mercado interno, de 12,9% para 18,5%, a 23 milhões de toneladas.

Já a expectativa para o consumo aparente, medida que considera vendas internas e importação, passou de alta de 15% para 24,1%, 26,6 milhões de toneladas.

Se concretizada, a produção de aço bruto será um recorde em volume para o setor no país. Já a métricas de consumo aparente e vendas internas será a maior desde 2013, informou a entidade.

"Construção civil...indústria de veículos e máquinas estão retomando, bens de capital, linha branca também têm tido retomada muito consistente do consumo", disse o presidente do conselho do Aço Brasil e vice-presidente da Gerdau no Brasil, Argentina e Uruguai, Marcos Faraco, a jornalistas.

"É isso que está sustentando a visão para o consumo aparente", acrescentou.

Em junho, as siderúrgicas do país produziram 3,12 milhões de toneladas, perto dos 3,16 milhões de toneladas de maio, já o maior volume desde outubro de 2018. Ante junho de 2020, a produção subiu 45,2%. Já as vendas internas saltaram 32,8% ano a ano, para cerca de 2,1 milhões de toneladas.

Com isso, o nível de ocupação da capacidade instalada, de 51 milhões de toneladas de aço bruto por ano, fechou junho em 73%, após ter atingido 45% em abril de 2020. O setor afirma que o ideal para fazer frente aos custos fixos é uma uso acima de 80%.

A entidade também divulgou projeção de que o setor siderúrgico investirá 8 bilhões de dólares até 2025 ante investimentos acumulados entre 2008 e 2020, de 28,2 bilhões.

PREÇOS

Na apresentação a jornalistas, o presidente-executivo do Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, evitou comentar sobre a ameaça do ministro da Economia, Paulo Guedes, na semana passada, de reduzir a tarifa de importação de aço, caso o setor não segure reajustes de preços.

"Para que precisa de redução de imposto de importação? A não ser para o único objetivo: melhorar a margem de quem está no negócio de importar aço", disse Lopes. "Não nos parece razoável, sem que haja uma excepcionalidade no mercado...o governo brasileiro reduzir o imposto de importação de aço", acrescentou.

Segundo ele, o mercado nacional está plenamente abastecido e as importações têm fluído, mesmo sem uma redução do imposto. Em junho, a entrada de aço produzido no exterior no país disparou quase 125% sobre mesmo mês de 2020, segundo o Aço Brasil. No semestre, as importações acumulam alta de cerca de 94%.

Lopes afirmou que o setor está trabalhando com Guedes "uma política de abertura comercial do governo", mas não detalhou.

Questionado sobre os riscos para o setor siderúrgico de um racionamento de energia, o executivo afirmou que o setor não teme possíveis medidas forçadas de economia de eletricidade, diante dos baixos níveis dos reservatórios de hidrelétricas. Mas receia o impacto nos custos pelo consumo de energia mais cara produzida por térmicas.

"Não há preocupação em relação a racionamento. O Brasil hoje é um país diferente de 2001, com uma rede de distribuição completamente diferente", disse Lopes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos