Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,26
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.801,00
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    34.538,47
    +558,66 (+1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.104,50
    +6,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1217
    +0,0015 (+0,02%)
     

Setor de serviços tem alta de 1,2% em maio

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL, 25-06-2021: Funcionária faz limpeza em área comum do Hotel Pullman, na Vila Olímpia, em São Paulo.. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL, 25-06-2021: Funcionária faz limpeza em área comum do Hotel Pullman, na Vila Olímpia, em São Paulo.. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O volume do setor de serviços no país avançou 1,2% em maio, na comparação com abril. O resultado foi divulgado nesta terça-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com o desempenho, o setor de serviços volta a ultrapassar o nível pré-pandemia, já que se encontra 0,2% acima do patamar de fevereiro de 2020.

Em relação a maio de 2020, houve alta de 23%. No quinto mês do ano passado, o setor sofria os impactos da fase inicial da pandemia. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam avanço de 21,9% frente a maio de 2020.

A prestação de serviços foi atingida em cheio pela Covid-19 porque reúne atividades que dependem da circulação de clientes. Entre elas, estão operações de hotéis, bares, restaurantes e eventos.

Após despencar no começo da crise sanitária, o setor ensaiou retomada ao longo de 2020. No entanto, deu sinais de perda de fôlego com a redução de estímulos à economia e o avanço da Covid-19 na largada de 2021.

Conforme o IBGE, o volume de serviços acumulou baixa 2,2% em 12 meses até maio. Nos primeiros cinco meses de 2021, houve elevação de 7,3%.

Em maio, o menor nível de restrições a atividades beneficiou o setor. Mas, segundo analistas, a recuperação mais consistente dos negócios ainda depende do avanço da vacinação contra a Covid-19. A imunização é considerada peça necessária para permitir a volta segura de atividades e elevar a confiança de consumidores.

A inflação e o desemprego em alta, por outro lado, desafiam a recuperação de serviços.

Neste mês, o IBGE também divulgou o balanço de outros dois indicadores setoriais: produção industrial e vendas do comércio. Conforme o instituto, tanto a produção das fábricas quanto as vendas do varejo cresceram 1,4% em maio, frente a abril.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos