Mercado abrirá em 7 h 26 min

Setor de serviços e criação de empregos nos EUA desaceleram

Por Lucia Mutikani
.

Por Lucia Mutikani

NOVA YORK (Reuters) - A atividade do setor de serviços dos Estados Unidos desacelerou em novembro, com preocupações persistentes sobre as tensões comerciais e a escassez de trabalhadores levando a produção ao seu nível mais baixo em uma década, o que pode aumentar os temores sobre a saúde da economia.

Outros dados divulgados nesta quarta-feira mostraram que os empregadores privados norte-americanos contrataram o menor número de trabalhadores em seis meses em novembro. Os relatórios vêm na esteira de dados divulgados na segunda-feira que mostraram a atividade industrial recuando pelo quarto mês consecutivo em novembro e uma queda nos gastos com construção em outubro.

A contínua queda na produção e a segunda queda mensal consecutiva nas despesas com construção atenuaram as expectativas de crescimento para o quarto trimestre, que foram impulsionadas por uma série de relatórios otimistas sobre o déficit comercial, habitação e investimentos empresariais. Ainda assim, a economia parece estar crescendo a um ritmo moderado, e não estacionando.

O Institute for Supply Management (ISM) disse que seu índice de atividade não manufatureira caiu para uma leitura de 53,9 no mês passado, de 54,7 em outubro. Uma leitura acima de 50 indica expansão no setor de serviços, responsável por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA.

Economistas consultados pela Reuters previam que o índice recuaria para 54,5 em novembro.

Ainda nesta quarta, um relatório mostrou que os empregadores privados dos Estados Unidos criaram o menor número de empregos em seis meses em novembro, bem abaixo das expectativas dos economistas.

A geração de empregos das empresas norte-americanas chegou a 67 mil no mês passado, informou o relatório nacional de emprego da ADP. A previsão entre economistas consultados pela Reuters era de criação de 140 mil vagas, com estimativas variando de 120 mil a 188 mil.

Foi o menor ganho mensal desde maio, quando apenas 46 mil postos de trabalho foram criados, o menor avanço desde 2010, e manteve a tendência de desaceleração do crescimento do emprego verificada este ano.

A geração de empregos no setor privado em outubro foi revisada para 121 mil, frente aos 125 mil originalmente relatados.

Os números da ADP vêm antes do relatório mais abrangente de emprego do Departamento do Trabalho dos EUA, previsto para sexta-feira, que inclui tanto o setor público quanto o privado.

(Reportagem adicional de Dan Burns)