Mercado abrirá em 3 h 29 min

Setor de serviços desacelera no Brasil em novembro, aponta IHS Markit

Valor

Índice PMI caiu de 51,2 em outubro para 50,9, em meio a demanda ainda frágil e condições econômicas difíceis O Índice de Atividade de Negócios (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços brasileiro caiu de 51,2 em outubro para 50,9 em novembro, o desempenho mais fraco no atual período de cinco meses de expansão, informou a consultoria IHS Markit nesta quarta-feira. Leituras acima de 50 indicam expansão da atividade - abaixo desse patamar, qualquer número equivale a contração.

“As evidências indicaram que o crescimento foi sustentado por conquistas de novos negócios, mas foi contido por uma demanda ainda frágil e por condições econômicas difíceis”, explica o relatório.

Os dados de novembro mostraram um resfriamento no setor de serviços do Brasil, com uma expansão mais branda nas entradas de novos trabalhos restringindo o crescimento da produção e dos empregos.

“Contudo, o grau de otimismo em relação aos negócios para as perspectivas de atividade daqui a doze meses se fortaleceu e atingiu um recorde de alta de três meses.”

“Com relação aos preços, houve aumentos mais brandos nos custos tanto de insumos quanto de produção na metade do último trimestre do ano”, diz a IHS Markit.

Os dados por subsetor indicaram que a atividade de negócios e as vendas aumentaram em quatro das cinco categorias monitoradas, sendo a liderança, em ambos os casos, do subsetor de Informação e Comunicação. A única exceção é o segmento de Serviços Imobiliários e Empresariais.

Embora as empresas de serviços tenham notado um aumento adicional de novos pedidos, a taxa de expansão se atenuou, atingindo o seu ponto mais fraco na atual sequência de cinco meses de crescimento da atividade. Nos segmentos em que houve um aumento de vendas, os entrevistados relataram uma melhoria na demanda e conquistas de novos clientes como causas.

“Um fator contendo a recuperação no total de vendas foi uma contração renovada no volume de novos pedidos para exportação. Após ter aumentado em outubro pela primeira vez em oito meses, houve uma ligeira queda na quantidade de novos trabalhos provenientes do exterior em novembro”, diz o documento.

Os dados de novembro destacaram um grau crescente de capacidade ociosa entre os provedores de serviços, com a quantidade de negócios pendentes caindo a um ritmo mais acentuado do que em outubro.