Mercado fechado

Setor de serviços desacelera no Brasil em outubro, aponta Markit

Ana Conceição

Índice PMI ficou em 51,2, de 51,8 em setembro, mostrando que atividade cresceu pelo quarto mês consecutivo, mas a um ritmo menor A atividade do setor de serviços cresceu em outubro pelo quarto mês consecutivo, mas a um ritmo menor, de acordo com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da consultoria IHS Markit. No mês passado, o indicador marcou 51,2, de 51,8 em setembro, feito o ajuste sazonal. Leituras acima de 50 apontam expansão da atividade.

O PMI sintetiza a produção, exportação, emprego, preços, custos e demanda interna de 400 empresas dos segmentos de serviços ao consumidor (excluindo varejo), transportes, informação, comunicação, finanças, seguros e serviços imobiliários e empresariais.

Segundo a IHS Markit, a demanda por serviços cresceu em outubro, assim como o emprego no setor.

Um fator que contribuiu para o aumento do número de funcionários foi a melhora no otimismo em relação aos negócios, provocada pelas expectativas mais positivas em relação à economia, diz a consultoria.

O segmento de finanças e seguros liderou o crescimento da atividade no mês. Houve queda apenas em transporte e armazenamento e serviços imobiliários e empresariais. Também houve aumento nas exportações de serviços.

A IHS também informou que o PMI Composto - formado pelo indicador de serviços e o da indústria - também caiu, de 52,5 para 51,8, entre setembro e outubro, feito o ajuste sazonal.

Na semana passada, a consultoria informou que o PMI industrial brasileiro saiu de 53,4 para 52,2.