Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,89
    +0,06 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.689,60
    -11,10 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    46.626,34
    -4.220,91 (-8,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,98
    -56,22 (-5,70%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.726,58
    -510,21 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    28.478,71
    -451,40 (-1,56%)
     
  • NASDAQ

    12.346,50
    -108,50 (-0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Setor de serviços da China cresce em janeiro a ritmo mais lento em nove meses, mostra PMI do Caixin

·1 minuto de leitura

PEQUIM (Reuters) - A atividade do setor de serviços da China cresceu no ritmo mais lento em nove meses em janeiro, mostrou nesta quarta-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), uma vez que o ressurgimento de casos de coronavírus pesou sobre as empresas.

O PMI de serviços do Caixin/Markit caiu a 52,0, nível mais baixo desde abril, de 56,3 em dezembro, permanecendo acima da marca de 50 que separa crescimento de contração.

O subíndice de emprego ficou em 50,7, patamar mais fraco desde julho do ano passado, e ante 52,0 no mês anterior.

O crescimento das novas encomendas de exportação, que só voltaram a expandir em novembro, desacelerou ante o mês anterior.

A perda de força ficou em linha com o resultado de uma pesquisa oficial divulgada no domingo.

O setor de serviços, que tem sido mais lento em se recuperar da pandemia de Covid-19 do que a indústria, está mais vulnerável ao distanciamento social no momento em que as autoridades correm para conter novos casos.

"A recuperação pós-pandemia do setor de serviços continuou, mas a um ritmo mais lento", disse Wang Zhe, economista sênior do Caixin Insight Group, em comunicado.

(Reportagem de Gabriel Crossley)