Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.345,81
    -185,55 (-0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Setor de serviços do Brasil registra em dezembro crescimento mais fraco em 19 meses, mostra PMI

Consumidores em bar do Rio de Janeiro

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A atividade de serviços do Brasil encerrou 2022 com o menor ritmo de expansão em 19 meses e cortes de emprego em meio a distrações políticas e fechamentos por conta da Copa do Mundo de futebol, mostrou nesta quarta-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

O levantamento da S&P Global mostrou que o índice PMI de Serviços caiu a 51,0 em dezembro, de 51,6 em novembro, mas ainda acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, com algumas empresas indicando parcerias bem sucedidas, conquista de novos clientes e resiliência da demanda.

"O desempenho do setor de serviços do Brasil decepcionou no final de 2022, especialmente considerando que começou o ano com força", disse a diretora associada de economia da S&P Markit, Pollyanna De Lima, destacando que o setor dá sinais mistos para 2023.

Apesar de as questões políticas e de a Copa do Mundo terem pressionado o crescimento, os fornecedores de serviços ainda sinalizaram aceleração do crescimento de novos negócios em relação à mínima de um ano e meio vista em novembro.

A confiança em relação aos próximos 12 meses também melhorou em dezembro depois de atingir o menor nível em 13 meses em novembro, ficando acima da média da série. As empresas projetam que uma maior clareza em relação às políticas públicas, inflação contida, oportunidades de investimento e resiliência da demanda levarão a níveis de produção mais altos este ano.

Apesar disso, os empresários reduziram o número de funcionários pela primeira vez em 19 meses, em meio a esforços de reestruturação e cortes de custos, além da incerteza política.

As empresas também indicaram novo aumento nos gastos operacionais devido à força do dólar, pressões salariais, custos de empréstimos elevados e preços mais altos de alguns materiais, e esses aumentos continuaram a ser transferidos para os clientes. No entanto, a inflação dos preços cobrados foi a mais baixa em três meses em dezembro.

Enquanto a atividade de serviços permaneceu em crescimento, a indústria brasileira terminou 2022 com contração, levando o PMI Composto do país a registrar a segunda queda consecutiva do setor privado, caindo de 49,8 em novembro a 49,1 em dezembro.