Mercado fechará em 6 h 24 min
  • BOVESPA

    107.505,22
    -945,98 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,20
    +0,05 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.662,20
    -7,80 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    19.276,02
    +140,12 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    441,17
    -4,81 (-1,08%)
     
  • S&P500

    3.668,42
    -50,62 (-1,36%)
     
  • DOW JONES

    29.373,97
    -309,77 (-1,04%)
     
  • FTSE

    6.905,90
    -99,49 (-1,42%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.385,75
    -170,00 (-1,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2537
    +0,0211 (+0,40%)
     

Volume de serviços no Brasil cresce em junho pelo 2º mês seguido com transporte de cargas

Consumidores aguardam em fila de supermercado no Rio de Janeiro, Brasil

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) -O volume de serviços no Brasil chegou ao final do segundo trimestre em alta pelo segundo mês seguido e acima do esperado, ganhando fôlego mesmo diante de um cenário de inflação elevada no país graças principalmente ao setor de transportes.

O volume de serviços cresceu 0,7% em junho na comparação como mês anterior, mostrando aceleração ante a taxa de 0,4% de maio, embora esta tenha sido revisada para baixo de 0,9% informado antes.

Com isso o segundo trimestre fechou com ganho de 1,1% sobre os três meses anteriores, no oitavo trimestre seguido de alta, embora essa tenha sido a taxa mais fraca dessa sequência.

Os dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram ainda que, na comparação com o mesmo período do ano anterior, os serviços apresentaram ganho de 6,3% no volume.

O setor de serviços encontra-se 7,5% acima do nível de fevereiro de 2020, pré-pandemia, mas ainda 3,2% abaixo de novembro de 2014, o pico da série, de acordo com o IBGE.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de ganhos de 0,5% na base mensal e de 6,1% na anual.

O retorno da demanda presencial para os fornecedores de serviços tem ajudado a impulsionar o volume do setor, que por outro lado ainda enfrenta a inflação elevada no país.

As incertezas à frente também permanecem com o aperto nas condições monetárias e financeiras em um ano de eleição presidencial, embora medidas do governo de auxílio à renda e o enfraquecimento esperado da inflação possam dar impulso ao setor.

"Junho contava com 13º antecipado e liberação do FGTS. Acredito que uma parte deve ter sido direcionada para pagar dívidas, mas também está tendo claramente uma preferência para gastar com serviços, e não com varejo", avaliou Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Na quarta-feira, o IBGE informou que as vendas varejistas no Brasil registraram contração de 1,4% em junho, maior queda mensal desde dezembro do ano passado.

"Comércio e indústria têm mais impacto de inflação, juros e mercado de trabalho. O setor de serviços vem crescendo desde o pós-pandemia em duas vertentes: uma delas é a retomada das atividades que dependem do consumo presencial", disse o gerente do levantamento no IBGE, Rodrigo Lobo, citando ainda o avanço do transporte de cargas.

CARGA

Entre as cinco atividades pesquisadas pelo IBGE, quatro apresentaram crescimento em junho, sendo que a maior influência positiva partiu do avanço de 0,6% de transportes, com destaque para o transporte dutoviário, rodoviário de cargas e coletivo de passageiros.

"O protagonismo veio de transporte, com destaque para cargas e transporte rodoviário de carga, que vem tendo bom desempenho por conta do agronegócio, para escoar a produção agrícola, e também por conta da produção indústria", disse Lobo.

Também se destacou o crescimento de 0,7% dos serviços profissionais, administrativos e complementares, graças ao aumento das atividades relacionadas a organização, promoção e gestão de feiras, congressos e convenções, entre outras.

Os serviços prestados às famílias tiveram alta de 0,6% no mês, mas seguem abaixo do patamar pré-pandemia. Já os serviços de informação e comunicação tiveram queda de 0,2%.

O índice de atividades turísticas, por sua vez, mostrou recuo de 1,8% em junho sobre o mês anterior, interrompendo três meses seguidos de ganhos. O segmento ainda está 2,8% abaixo do patamar pré-pandemia.

“O que puxou as atividades turísticas para baixo esse mês foi o transporte aéreo, devido ao aumento do item passagens aéreas no IPCA em junho”, explicou o analista da pesquisa Luiz Almeida.

(Edição de Luana Maria Benedito)