Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.781,00
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    33.999,61
    +1.276,79 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    816,26
    +21,94 (+2,76%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.606,23
    +296,47 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.916,68
    +32,55 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    14.295,50
    +37,25 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9107
    -0,0091 (-0,15%)
     

Serviços do Brasil crescem acima do esperado em abril mas permanecem abaixo do nível pré-pandemia

·2 minuto de leitura
Consumidores fazem compras em rua comercial de São Paulo em meio a disseminação da Covid-19

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O setor de serviços do Brasil cresceu mais do que o esperado em abril, mas iniciou o segundo trimestre ainda abaixo do patamar pré-pandemia diante da intensificação das medidas de contenção ao coronavírus no país.

O volume de serviços teve em abril alta de 0,7%, em um momento de piora da situação sanitária no Brasil, de acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse resultado ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,6%, mas recuperou apenas parte da queda de 3,1% vista em março.

"O setor teve crescimento mais moderado e está 1,5% abaixo do período pré-pandemia. Só em fevereiro ficou acima", disse o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, explicando que serviços precisam crescer 1,5% em maio para voltar ao patamar positivo pré-pandemia.

"O setor vem sendo afetado por uma nova onda de medidas de restrição impostas por cidades e Estados que afeta o consumo e a demanda presencial."

Em relação a abril do ano passado, o volume de serviços aumentou 19,8% e também ficou acima da expectativa, de crescimento de 18,2%, registrando o ganho mais forte da série histórica, iniciada em janeiro de 2012. O resultado, no entanto, deve-se principalmente à base baixa de comparação.

Com medidas de restrição mais rigorosas no país diante de novo pico da pandemia no Brasil, o setor de serviços, altamente dependente da presença física, enfrenta ainda o desemprego elevado.

Entre as atividades pesquisadas em abril, apenas duas tiveram resultados positivos.

Os serviços de informação e comunicação avançaram 2,5% no mês, impulsionados pelos segmentos de tecnologia da informação e telecomunicações.

Já o volume de serviços prestados às famílias aumentou 9,3% em abril, liderado principalmente pelos restaurantes. Mas Lobo ressaltou que esse resultado deve ser relativizado, uma vez que em março os serviços prestados à família despencaram 28%.

"Isso fez o consumo reduzir significativamente naquele mês, então em abril houve um crescimento maior por conta da base de comparação muito baixa”, explicou.

Entre as outras atividades, os serviços profissionais, administrativos e complementares recuaram 0,6%; enquanto outros serviços tiveram queda de 0,9%; e transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio ficou estável.

Já o índice de atividades turísticas recuou 0,6% em abril frente ao mês anterior, depois de despencar 23,1% em março. O segmento de turismo ainda precisa crescer 81,9% para retornar ao patamar de fevereiro do ano passado.

"Há efeitos negativos para empresas de transporte aéreo, turismo, operação de aeroportos, que ainda têm perda importantes", completou Lobo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos