Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.814,80
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    56.318,17
    -463,35 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.461,05
    -10,37 (-0,70%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.811,49
    +174,03 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.400,09
    +68,72 (+0,23%)
     
  • NASDAQ

    13.651,75
    +54,00 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3670
    +0,0004 (+0,01%)
     

Setor público consolidado tem déficit primário de R$64,56 bi em setembro, abaixo do esperado

Por Marcela Ayres
·2 minuto de leitura

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público consolidado brasileiro teve déficit primário de 64,56 bilhões de reais em setembro, divulgou o Banco Central nesta sexta-feira, dado abaixo do esperado e influenciado pelo resultado positivo de Estados e municípios.Em pesquisa Reuters, a expectativa era de déficit de 74,2 bilhões de reais para o mês.

O rombo do governo central (governo federal, BC e Previdência) foi de 75,15 bilhões de reais no período, novamente impactado pelos gastos extraordinários no enfrentamento à pandemia de coronavírus.

Enquanto isso, Estados e municípios tiveram superávit de 9,96 bilhões de reais e as empresas estatais ficaram no azul em 628 milhões de reais.

Nos nove primeiros meses do ano, o déficit do setor público consolidado foi a 635,93 bilhões de reais e, em 12 meses, o rombo foi de 655,31 bilhões de reais, equivalente a 9,08% do Produto Interno Bruto (PIB).

A projeção mais recente do Ministério da Economia é de um déficit do setor público consolidado de 895,8 bilhões de reais para o setor público consolidado (12,5% do PIB) neste ano, mas o dado será atualizado em coletiva de imprensa nesta tarde.

DÍVIDAEm setembro, a dívida pública bruta saltou a 90,6% do PIB, sobre 88,8% em agosto, renovando assim seu novo recorde histórico. A expectativa do mercado, segundo pesquisa Reuters, era de que fosse a 90,3% do PIB.

No acumulado do ano, o indicador, considerado principal parâmetro da saúde fiscal do país, já teve uma alta de 14,8 pontos percentuais, sendo que as emissões líquidas de dívida responderam por 9,1 pontos desse crescimento, ressaltou o BC.

A dívida líquida, por sua vez, foi a 61,4% do PIB em setembro, ante 60,7% no mês anterior e abaixo da projeção de analistas de 61,8% do PIB.