Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.764,60
    -1.303,95 (-1,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.100,57
    +374,61 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,70
    -0,31 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.800,80
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    17.222,89
    +421,93 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,75
    +11,07 (+2,80%)
     
  • S&P500

    3.952,93
    +19,01 (+0,48%)
     
  • DOW JONES

    33.676,35
    +78,43 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.607,50
    +98,00 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4993
    +0,0329 (+0,60%)
     

Setor público tem déficit de R$30,3 bi em agosto, mas dívida bruta recua a 77,5%

Prédio do Banco Central, em Brasília

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público consolidado brasileiro registrou um déficit primário de 30,279 bilhões de reais em agosto, informou o Banco Central nesta sexta-feira, mas a dívida bruta do governo seguiu em trajetória de baixa.

O saldo do mês veio pior que as projeções de analistas. Em pesquisa Reuters, a expectativa era de déficit primário de 28,750 bilhões de reais no mês.

O resultado foi o mais baixo para o mês desde agosto de 2020, quando o saldo ficou negativo em 87,594 bilhões de reais em meio à ampliação de gastos do governo para enfrentar a pandemia de Covid-19.

Em agosto, a dívida bruta do país ficou em 77,5% do PIB, ante 78,2% em julho e 82,2% no mesmo mês do ano passado. O patamar registrado agora é o mais baixo desde março de 2020, quando o governo iniciou uma série de despesas para o combate à crise sanitária.

A dívida líquida, por sua vez, foi a 58,2% em agosto, contra 57,8% no mês anterior.

O resultado primário acumulado em 12 meses alcançou um superávit de 183,546 bilhões de reais em agosto, o que corresponde a 1,97% do Produto Interno Bruto (PIB). No mês anterior, o saldo acumulado estava em 2,50% do PIB.

Os dados englobam as contas de governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência), Estados, municípios e empresas estatais e não inclui as despesas com juros.

O resultado primário de agosto foi influenciado pelo resultado negativo do governo federal, enquanto o dado ficou no azul para os governos regionais e as estatais.

O governo central apresentou um déficit de 49,773 bilhões de reais no mês. Governos regionais tiveram superávit de 18,524 bilhão de reais --resultado de superávit de 22,929 bilhões de reais nos municípios e déficit de 4,404 bilhões de reais nos Estados. As estatais foram superavitárias em 970 milhões de reais.

No mês, o gasto com juros somou 35,628 bilhões de reais, contra 42,939 bilhões de reais no mês anterior e 46,467 bilhões de reais em agosto de 2021.

Com isso, o resultado nominal do setor público ficou em déficit de 65,907 bilhões de reais --estava negativo em 22,498 bilhões de reais em julho e 29,739 bilhões de reais em agosto de 2021.