Mercado abrirá em 4 h 30 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,56
    +0,65 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.858,90
    -20,70 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    39.535,20
    +4.196,60 (+11,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    984,99
    +43,18 (+4,58%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.158,78
    +24,72 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.016,50
    +22,25 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

Setor manufatureiro dos EUA se recupera em maio; pedidos em atraso aumentam

·2 minuto de leitura
Fábrica de máscaras em La Verne, Califórnia, EUA

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - A atividade manufatureira dos Estados Unidos se recuperou no mês de maio, à medida que a demanda, que estava reprimida, impulsionou as encomendas em meio à reabertura da economia, mas o trabalho inacabado se acumulou devido à escassez de matéria-prima e mão de obra.

O Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) informou nesta terça-feira que seu índice para a atividade industrial nacional saltou no mês passado para uma leitura de 61,2, ante 60,7 em abril.

Leitura acima de 50 indica expansão da manufatura, que responde por 11,9% da economia dos EUA. Economistas consultados pela Reuters esperavam leitura de 60,9 em maio.

Uma maior demanda por bens de consumo em detrimento da busca por serviços, relacionada ao fato de a pandemia ter mantido os norte-americanos em casa, pressionou as cadeias de fornecimento. O vírus também atrapalhou a contratação de mão de obra pelos fabricantes e seus fornecedores, levando à escassez de matéria-prima em todos os setores.

Não há sinais de que os gargalos de oferta estejam diminuindo, mesmo com a demanda voltando para os serviços conforme a economia reabre.

O subíndice para novas encomendas saltou para 67,0, ante uma leitura de 64,3 em abril. Os estoques nas fábricas estão crescendo pouco, e os armazéns comerciais estão quase vazios.

Mas a produção está sendo limitada pela escassez de trabalhadores. Uma medida de emprego na indústria caiu para uma mínima em seis meses em maio. A mão de obra é escassa, apesar de quase 10 milhões de norte-americanos estarem oficialmente desempregados.

Escassez também está mantendo os preços dos insumos elevados. A pesquisa do ISM sobre os preços pagos pelos fabricantes oscilou perto de níveis vistos pela última vez somente em julho de 2008, antes do estouro da crise financeira daquele ano.

A desaceleração nas contratações na indústria no mês passado pode amenizar as expectativas de uma aceleração no crescimento do emprego em maio, depois que apenas 266 mil novas vagas de emprego foram adicionadas em abril.