Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,44
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.784,60
    +1,70 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    31.645,16
    -3.831,57 (-10,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    759,03
    -91,31 (-10,74%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.692,58
    +681,65 (+2,43%)
     
  • NASDAQ

    14.150,00
    +20,00 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9764
    +0,0011 (+0,02%)
     

Setor de máquinas e equipamentos fecha semestre com queda de 8,5% no faturamento

·1 minuto de leitura
.

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria de máquinas e equipamentos do país teve receita líquida de 56 bilhões de reais no primeiro semestre, uma queda de 8,5% sobre o faturamento da primeira metade de 2019 que nos últimos meses tem sinalizado uma redução de intensidade, informou nesta quarta-feira a associação que representa os fabricantes, Abimaq.

"Após quatro meses de pandemia de Covid-19, o setor de máquinas e equipamentos sente o impacto do enfraquecimento do mercado interno e externo. Todavia, os últimos resultados, têm apontado uma queda menos brusca da receita total", afirmou a entidade em comunicado à imprensa.

Em junho, a receita líquida do setor que produz desde máquinas para pequenas empresas até equipamentos para grandes plataformas de petróleo recuou 12,4% sobre o mesmo mês de 2019, sinalizando redução na retração após tombos de 14,1% em maio e de 25,6% em abril, segundo os dados da Abimaq.

"Tal resultado reforça hipótese de que a economia brasileira já tenha vivenciado o pior momento da pandemia", afirmou a entidade.

O setor encerrou junho com uma carteira de pedidos suficiente para 9,4 semanas de atendimento ante 9,9 semanas em janeiro. A utilização de capacidade instalada terminou o semestre em 64,6% ante 72,9% em maio, refletindo arrefecimento na atividade de grandes empresas e dificuldades de importação, segundo a Abimaq.

Na segunda-feira, o Instituto Aço Brasil (IABr), que representa siderúrgicas do país, afirmou que o fundo do poço da crise de Covid-19 "ficou para trás" e que espera uma retomada gradual no uso da capacidade instalada do setor nos próximos trimestres.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos