Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.044,97
    -267,53 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Setor imobiliário da China encolhe 5,1% em 2022, mostra agência de estatísticas

Áreas de construção em Shenzhen, China

PEQUIM (Reuters) - O setor imobiliário da China encolheu 5,1% em 2022 em relação ao ano anterior, mostraram dados de valor agregado da Agência Nacional de Estatísticas nesta quarta-feira, aumentando a pressão sobre as autoridades para reanimar o setor em 2023.

O valor agregado na indústria foi 7,2% menor no quarto trimestre do que no ano anterior, após uma contração anual de 4,2% observada no terceiro trimestre, segundo dados da agência.

Os números indicam que o setor imobiliário foi um dos maiores problemas para a economia chinesa no ano passado.

O crescimento econômico da China em 2022 caiu para uma das taxas mais fracas em quase meio século, atingido por uma queda no mercado imobiliário e por medidas rígidas da pandemia e surtos de Covid-19 que afetaram especialmente o segundo e o quarto trimestres.

As autoridades lançaram uma série de medidas econômicas para ajudar compradores de moradias e construtoras imobiliárias e aliviar um aperto de liquidez de longa data no setor, que atrasou a conclusão de muitos projetos habitacionais.

Apesar desse esforço, o investimento em imóveis em 2022 ainda foi 10% menor do que em 2021, a primeira queda desde que os registros começaram em 1999, e as vendas de imóveis caíram pelo maior nível desde 1992, mostrou a agência na terça-feira.

(Reportagem de Ellen Zhang e Kevin Yao)