Mercado fechará em 3 h 35 min
  • BOVESPA

    121.431,84
    -2.144,72 (-1,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.082,03
    -551,88 (-1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,45
    -2,11 (-2,99%)
     
  • OURO

    1.813,30
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    39.364,84
    +1.290,25 (+3,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    972,17
    +45,41 (+4,90%)
     
  • S&P500

    4.406,49
    -16,66 (-0,38%)
     
  • DOW JONES

    34.824,93
    -291,47 (-0,83%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.058,50
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1907
    +0,0252 (+0,41%)
     

Setor de grãos argentino diz que proposta do governo para dragagem encarece exportações

·2 minuto de leitura

Por Hugh Bronstein e Agustin Geist

BUENOS AIRES (Reuters) - Os custos das exportações de grãos da Argentina aumentariam sob uma nova proposta do governo, que prevê que os navios paguem pedágios ao Estado, e não mais à companhia que realiza a dragagem do rio Paraná, disseram membros da indústria nesta segunda-feira.

O governo argentino discorda, afirmando que a proposta, na verdade, tem como objetivo diminuir os custos logísticos ao mesmo tempo em que a produção agrícola do país aumenta.

Este é o mais novo capítulo de uma longa saga de agricultores e exportadores em oposição às intervenções do governo no setor.

A dragagem da hidrovia dá ao país uma vantagem sobre os rivais Brasil e Estados Unidos, que dependem mais de caminhões e barcaças, menos eficientes.

Na semana passada, o governo divulgou sua proposta para a administração do rio. Ela prevê que o Estado, em vez da empresa que draga a hidrovia, deve receber os pedágios que navios pagam para utilizar o terminal exportador de Rosario, de onde partem cerca de 80% dos embarques de grãos da Argentina.

A proposta irritou exportadores e produtores, que já temiam as políticas do governo de centro-esquerda do presidente Alberto Fernández, cuja administração limitou as exportações de carne bovina como forma de controlar a inflação doméstica dos alimentos.

O governo deve supervisionar o sistema de logísticas e garantir a transparência no processo de licitação para os serviços de dragagem, disse Luis Zubizarreta, presidente da câmara de portos privados da Argentina. Ele acredita, no entanto, que a companhia que realiza a dragagem, e não o governo, deve continuar recebendo o pedágio pago pelos navios.

"O sistema atual funciona bem, com os usuários do rio pagando o pedágio diretamente à empresa de dragagem. Nós precisamos manter isso", afirmou Zubizarreta.

"Se o fluxo do dinheiro passar pelo Estado, o custo dos serviços de dragagem vai aumentar", acrescentou.

Mas uma fonte do Ministério dos Transportes do país, que pediu para não ser identificada, disse que a proposta para o sistema de dragagem não tornaria os embarques mais caros.

"Não implica um custo maior. Um dos nossos objetivos é reduzir o custo das logísticas", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos