Mercado abrirá em 2 h 47 min

Setor financeiro da UE exige mais dados sobre sustentabilidade

Alexander Weber

(Bloomberg) -- O setor financeiro da Europa faz maior pressão para que empresas forneçam os dados necessários para ampliar investimentos ambientalmente responsáveis.

Bancos e gestoras de ativos querem que a Comissão Europeia obrigue as empresas a divulgarem mais dados sobre riscos relacionados à sustentabilidade, de acordo com respostas enviadas ao braço executivo da União Europeia. Associações do setor, que representam segmentos importantes da economia da região, se opõem à ideia para evitar novos custos.

A questão emerge como uma nova frente nas medidas da UE para regular o mercado de investimentos verdes e fazer com que o setor financeiro lide com riscos relacionados ao clima. A principal iniciativa da UE tem como objetivo decidir que tipo de investimento pode ser definido como sustentável, mas há uma ampla percepção de que o plano não funcionará sem uma ideia mais clara do que as empresas têm feito.

Gestores de ativos e investidores institucionais só poderão tomar decisões de investimento adequadamente se as informações de sustentabilidade “estiverem prontamente disponíveis e comparáveis entre diferentes empresas e setores”, disse a Associação Alemã de Fundos de Investimento em resposta a uma consulta da UE encerrada na semana passada.

Embora o principal lobby do setor bancário da Europa tenha pedido mais dados de pequenas e médias empresas - a grande maioria das empresas da UE -, representantes do segmento são contra exigências mais rigorosas.

Regras mais rígidas “mais uma vez criariam custos adicionais para as PMEs, que geralmente não têm a experiência necessária para cumprir esses tipos de obrigações de divulgação dentro da própria empresa, mas teriam que pagar consultores externos”, de acordo com a SMEunited, que representa 24 milhões de pequenas empresas em toda a Europa.

A comissão tem várias opções sobre a mesa para uma revisão das regras de divulgação que podem ser lançadas este ano. A UE poderia adotar uma abordagem não vinculante para fazer com que as empresas divulguem mais dados ou pode impor demandas significativamente mais duras.

A Schroders também apelou à UE para evitar a fragmentação por meio de um padrão internacional ou tornando diferentes estruturas internacionalmente compatíveis.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórter da matéria original: Alexander Weber Brussels, aweber45@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Dale Crofts, dcrofts@bloomberg.net, Ross Larsen

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.