Mercado abrirá em 5 h 51 min
  • BOVESPA

    103.713,45
    +1.920,93 (+1,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.198,94
    +315,99 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,47
    +0,10 (+0,13%)
     
  • OURO

    2.002,00
    +4,30 (+0,22%)
     
  • Bitcoin USD

    28.060,76
    -544,94 (-1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    613,09
    -6,16 (-0,99%)
     
  • S&P500

    4.050,83
    +23,02 (+0,57%)
     
  • DOW JONES

    32.859,03
    +141,43 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.620,43
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    20.465,62
    +156,49 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.041,48
    +258,55 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.094,50
    +12,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5336
    -0,0220 (-0,40%)
     

Setor de fertilizantes do Brasil vai investir R$21 bi na indústria nacional em 4 anos

Trator espalha fertilizante em plantação de soja, perto de Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria de fertilizantes do Brasil pretende investir 21 bilhões de reais nos próximos quatro anos em projetos nacionais, no intuito de alavancar a produção de matérias-primas do país e reduzir a atual dependência externa, disse nesta quinta-feira o sindicato do setor Sinprifert em nota.

O Brasil, importante produtor e fornecedor agrícola global, importa em média 85% de sua necessidade de adubos. Segundo a entidade, este patamar de compras externas chegou a 90% em 2021.

Segundo o sindicato, a redução na dependência internacional se dará por meio da implantação de novas fábricas, expansão de investimentos para outras regiões do país, aumento da capacidade produtiva total e reativação de plantas.

"Diante dos acontecimentos do cenário econômico internacional, onde a guerra entre Rússia e Ucrânia evidenciou a fragilidade e imprevisibilidade do nosso abastecimento interno, o Brasil fez seu dever de casa e agora tem plenas condições para viabilizar uma produção nacional forte e estruturada", disse no comunicado o diretor-executivo do Sinprifert, Bernardo Silva.

A Rússia e Belarus são os principais fornecedores de fertilizantes do Brasil, além de países como China, que vêm estabelecendo restrições aos abastecimentos externos, afirmou o sindicato.

Com isso, Silva disse que "as empresas estão investindo e apostando na reindustrialização do setor", "desde que a estabilidade institucional se mantenha e que o Brasil continue com uma visão de longo prazo".

Em março de 2022, foi lançado o Plano Nacional de Fertilizantes, estratégia de Estado para minimizar a subordinação do agro nacional ao fornecimento externo de insumos, com foco nos principais elos da cadeia: mineração, química, infraestrutura, agricultura, inovação e sustentabilidade ambiental. O objetivo do plano é diminuir a dependência externa para 50% até 2050.

(Reportagem de Nayara Figueiredo)