Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.704,96
    -658,14 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.264,39
    -450,21 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,16
    +0,50 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.800,20
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    61.932,78
    +3.065,60 (+5,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.498,43
    +79,06 (+5,57%)
     
  • S&P500

    4.596,42
    +44,74 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    35.730,48
    +239,79 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.720,25
    +133,00 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5881
    +0,1634 (+2,54%)
     

Setor de energia elétrica vai cobrar agilidade do governo Bolsonaro

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  13-09-2021, 12h00: O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do vice presidente Hamilton Mourão e dos ministros Anderson Torres (Justiça) e Paulo Guedes (Economia), durante cerimônia de sangamento do programa Habite Seguro, programa habitacional voltado aos profissionais das forças de segurança. No Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 13-09-2021, 12h00: O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do vice presidente Hamilton Mourão e dos ministros Anderson Torres (Justiça) e Paulo Guedes (Economia), durante cerimônia de sangamento do programa Habite Seguro, programa habitacional voltado aos profissionais das forças de segurança. No Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O setor de energia elétrica vai cobrar celeridade do governo Bolsonaro na implementação do mercado livre durante a discussão da audiência pública marcada para esta terça (28), na comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.

O projeto de lei que trata do tema quer alterar o modelo regulatório do setor, permitindo a portabilidade das contas de luz entre as distribuidoras e a escolha do fornecedor de energia pelo consumidor.

A Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia), que vai participar da audiência, defende que o momento de preços altos é propício para a mudança. "No início do governo, o ministro Bento Albuquerque disse que a prioridade era abrir o mercado elétrico. Já se passaram mil dias e continuamos aguardando aqui", diz Reginaldo Medeiros, presidente da entidade.

Ele afirma que, se a medida tivesse sido tomada antes, a dimensão da crise hídrica seria menor porque a demanda teria reagido mais rapidamente.

Estão confirmadas as presenças de integrantes do Ministério de Minas e Energia e da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), associações de consumidores e comercializadores de energia, além de entidade de defesa do consumidor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos