Mercado fechado

Setor elétrico requer investimentos de R$ 450 bilhões, diz ministro

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse hoje (25), no Rio de Janeiro, que o setor elétrico brasileiro vai demandar investimentos de cerca de R$ 450 bilhões até 2029 em novas plantas de geração e transmissão de energia. Segundo ele, os investimentos são necessários, pois o crescimento estimado em geração energética é de 35% e, em transmissão, de 39%.

“Para que isso aconteça, temos trabalhado arduamente para atrair investimentos e identificar os custos e benefícios reais das diversas fontes de geração de energia”, afirmou Bento Albuquerque no seminário Perspectivas e Desafios para a Infraestrutura Brasileira, promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O ministro de Estado de Minas e Energia, Bento Albuquerque, fala à imprensa durante o leilão de Geração A-6, na sede da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CEE.
O ministro Bento Albuquerque disse que investimentos no setor elétrico são necessários porque a expansão estimada em geração energética é de 35% Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil

“A visão estratégica que estamos seguindo consiste em investir ainda mais na diversificação de nossa matriz energética, aumentando a inserção de fontes renováveis e limpas com maior racionalidade econômica. Investimentos privados nacionais e estrangeiros são necessários e bem-vindos para impulsionar o setor de energia e a economia brasileira em geral”, completou o ministro.

Eletrobras

Sobre a privatização da Eletrobras, o ministro disse que a empresa precisa ser capitalizada “para que possa exercer o importante papel que ela tem no setor elétrico, tanto na geração quanto na transmissão de energia”.

O governo enviou um projeto de lei de desestatização da empresa no início do mês à Câmara dos Deputados. “Acreditamos que, com a tramitação no Congresso Nacional, o modelo poderá até ser aperfeiçoado. O país necessita da Eletrobras, mas não da Eletrobras de hoje, que está fadada a acabar por falta de investimentos”, finalizou.