Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.057,22
    +147,31 (+0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Setor de combustíveis vê risco de desabastecimento e pede atenção a SC e PR

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - As maiores distribuidoras de combustíveis do país alertam para risco de desabastecimento dos postos com a manutenção dos bloqueios em rodovias por atos bolsonaristas antidemocráticos. O setor pede especial atenção para Santa Catarina, Paraná e o entorno da Refinaria de Paulínia, em São Paulo.

Os bloqueios já provocam falta de produtos em postos de ao menos cinco estados e do Distrito Federal, segundo sindicatos que reúnem os revendedores. O problema é causado principalmente por dificuldades nas entregas de etanol anidro e biodiesel, que são misturados na gasolina e no diesel.

"Mantido o atual cenário de manifestações em diversas regiões do país com bloqueios totais e parciais de estradas, o IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás) expressa preocupação com o risco de desabastecimento", disse o instituto que reúne as grandes distribuidoras, como Vibra (ex-BR), Raízen e Ipiranga.

Em relação a combustíveis automotivos, a situação é mais crítica em Santa Catarina e no Paraná, já que a refinaria que atende os dois estados, localizada em Araucária (PR), está parada para manutenção, e manifestantes fecharam as principais vias de importação de outros estados.

De fato, Santa Catarina foi o primeiro estado a acusar falta de combustíveis nos postos, ainda na noite de segunda-feira (31). O estado tem forte base bolsonarista, o que vem dificultando o trabalho de desobstrução das vias bloqueadas.

Já a preocupação com Paulínia está relacionada à produção de querosene de aviação para atender as companhias aéreas, disse à reportagem a diretora do IBP responsável pelo segmento, Valéria Lima.

Ela disse que o setor se reuniu com os ministérios de Minas e Energia e da Infraestrutura na noite de segunda, mas ainda não vê um esforço de coordenação para garantir o transporte dos produtos.

"O IBP reforça a necessidade de uma ação coordenada das autoridades visando o desbloqueio das estradas, inclusive com a formação de corredores logísticos, com proteção dos órgãos de segurança pública, nos trechos de maior criticidade", diz o instituto, em nota divulgada nesta terça.

Para evitar desabastecimento de diesel, as distribuidoras vão propor ao governo a flexibilização da mistura de biodiesel, hoje em 10%, já que a logística do produto é feita por via rodoviária e os polos produtores estão localizados no Centro-Oeste.

Lima diz ainda que o IBP estuda a viabilidade de pedir a flexibilização da mistura de etanol anidro à gasolina, hoje em 27%. Mas qualquer proposta nesse sentido depende de avaliações sobre o rendimento dos motores.