Mercado abrirá em 5 h 20 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,78
    +0,80 (+1,08%)
     
  • OURO

    1.758,40
    +6,70 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    43.836,13
    +2.262,49 (+5,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.091,84
    -11,22 (-1,02%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.093,59
    +42,11 (+0,60%)
     
  • HANG SENG

    24.191,88
    -0,28 (-0,00%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.355,75
    +37,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2498
    -0,0058 (-0,09%)
     

Setor automotivo volta ao salão alemão IAA

·3 minuto de leitura
FOTO DO ARQUIVO: IAA Germany Motor Show, tirado em 11 de setembro de 2019 em Frankfurt (AFP/Daniel ROLAND)

Mal superados os efeitos da crise de saúde, e em meio à escassez de equipamentos eletrônicos, o setor automotivo se reúne no salão alemão da mobilidade IAA, diante de novos desafios, enquanto a variante delta ameaça a recuperação.

Para os fabricantes, privados de grandes eventos internacionais devido à pandemia, este salão profissional aberto nesta segunda-feira (6) em Munique será uma grande oportunidade de reencontrar o público, que será recebido a partir de terça (7).

O salão será mais elétrico do que nunca, já que a Comissão Europeia está pressionando pelo fim dos motores de combustão até 2035.

Vários fabricantes, portanto, tomaram uma rota elétrica radical, mas cara.

A feira IAA dedica, assim, grande parte aos modelos com baterias elétricas. A Volkswagen, segunda maior fabricante do mundo e maior grupo representado no salão - na ausência da Toyota - não expõe nenhum carro térmico.

A Renault apresentou nesta segunda seu modelo elétrico Mégane, um esportivo compacto e conectado, que deve impulsionar o grupo francês no mercado europeu, segundo seu CEO, Luca De Meo. "Queremos mostrar com este carro que dirigir um carro elétrico também pode ser divertido", declarou.

Por sua vez, a Mercedes promete 660 km de autonomia para seu grande sedã EQE, destinado a rivalizar com o Tesla.

BMW anuncia, olhando para o futuro, um carro elétrico batizado de "Circle" e 100% reciclável, feito inteiramente com materiais reaproveitados ou recursos renováveis.

- "Mobilidade" e clima -

Em plena transição para os chamados motores de "emissão zero", o IAA não será mais apenas sobre carros, mas se descreve como um "salão da mobilidade" e tem como foco a proteção climática.

Por isso, serão realizadas conferências e testes de direção de todos os tipos de veículos, desde scooters até limusines (elétricas), e mais de 70 marcas de bicicletas também serão apresentadas para tentar atrair novos públicos.

Apesar de tudo, vários grupos de ativistas do clima, incluindo o Greenpeace, prometeram ações de protesto durante o evento. Esta feira é o típico "greenwashing" (preocupação ambiental insincera), condenou um representante da associação ambiental BUND, Jens Hilgenberg.

Por outro lado, o grande desafio da eletrificação é agravado pela falta de componentes eletrônicos.

O ano começou de forma positiva para os industriais do setor, que recuperaram os lucros após um complicado ano de 2020 devido à covid-19, que causou fechamentos de fábricas e perdas financeiras históricas.

Os 16 maiores grupos do mundo alcançaram um total de 71,5 bilhões de euros (US $ 85 bilhões) de lucro operacional no primeiro semestre de 2021, segundo análise do gabinete EY.

Mas o horizonte parece mais complicado agora: a escassez de componentes eletrônicos - consequência da recuperação da economia e da alta demanda por aparelhos eletrônicos - cria desordem nas cadeias produtivas e sobrecarrega o mercado.

Isso levou ao fechamento ou suspensão de fábricas ou linhas de produção de grandes fabricantes.

Como resultado, os preços de venda de veículos novos subiram 13,9% em agosto nos Estados Unidos, um aumento recorde, de acordo com analistas do JPMorgan.

"As montadoras poderiam vender [...] mais veículos se não houvesse a crise dos semicondutores", estimou o analista alemão Ferdinand Dudenhöffer.

O impacto nos lucros poderia ser sentido no início de 2022, já que as vendas ainda estão longe dos níveis anteriores à crise.

Por fim, o salão IAA, um evento bianual, é um dos principais encontros internacionais do setor que tenta ressurgir após uma decepcionante edição de 2019 em Frankfurt, a histórica cidade-sede, que colocou em dúvida sua própria existência.

tsz-ys/dac/abx/me/jvb/mt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos