Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,86
    -0,17 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.923,80
    -5,70 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    12.877,66
    +1.820,65 (+16,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,48
    +12,59 (+5,14%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.502,40
    -137,06 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.626,00
    -65,25 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Setor automotivo global deposita esperanças em retomada da China

Bloomberg News
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Por dois anos, a queda das vendas pareceu significar o fim da era da China como o mercado automotivo mais importante do mundo. Então veio a pandemia de coronavírus, seguida por uma rápida recuperação que deixou Europa e Estados Unidos para trás.

Agora - mais do que nunca -, a China é o foco das esperanças de montadoras do mundo todo. As vendas de carros de passageiros na maior economia da Ásia subiram por dois meses, enquanto outros grandes mercados continuaram encolhendo: as vendas na Europa caíram 18% em agosto. E a China deve ser a primeira a retornar aos níveis de volume de 2019, embora apenas em 2022, de acordo com pesquisadores, incluindo a S&P Global Ratings. Mas nesse período, a China deve manter sua forte vantagem sobre a Europa e os EUA.

Maior mercado automotivo do mundo desde 2009, a China ainda pode crescer no futuro previsível devido à taxa de penetração relativamente baixa do país e à expansão da classe média. No entanto, simplesmente estar na China não significa sucesso automático para gigantes globais como Volkswagen, Toyota e Tesla, que também precisam enfrentar concorrentes apoiadas pelo estado, como SAIC Motor, Zhejiang Geely e NIO, todas cada vez mais agressivas na defesa de seu próprio território, enquanto visam uma expansão além do mercado chinês.

“A China não apenas se recuperou no pós-Covid, mas apresentou crescimento anual nos últimos meses”, disse Bill Russo, fundador e CEO da consultoria Automobility, em Xangai. “As montadoras estrangeiras dependem muito da China para um crescimento rentável.”

Retorno das feiras de automóveis

Enfatizando a velocidade da recuperação, a China vai realizar o primeiro grande salão do automóvel pós-surto do mundo, que começa no sábado. Praticamente todas as marcas globais, de fabricantes de mercado de massa a marcas de luxo, estarão competindo por atenção nos próximos 10 dias com montadoras de veículos elétricos domésticas, como a Xpeng, que foi listada em Nova York no mês passado e participa da feira pela primeira vez.

A Exposição Internacional de Automóveis de Pequim 2020 será realizada no enorme New China International Exhibition Center - que foi utilizado para classificar passageiros que chegavam durante o surto. Com restrições como períodos de quarentena para participantes estrangeiros, poucos executivos globais estarão presentes.

Mas como Pequim não registrou nenhum novo caso de vírus por cerca de 50 dias consecutivos, a feira continua e o complexo será preenchido com veículos chamativos que refletem as visões das montadoras para os próximos anos. Cerca de 82 modelos farão sua estreia mundial no evento, 14 deles de montadoras internacionais, segundo o organizador.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.