Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.567,98
    +269,13 (+2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Setembro de 2020 atingiu recordes de temperaturas altas em todo o planeta

Natalie Rosa
·2 minutos de leitura

O mês de setembro trouxe temperaturas altas para todo o Brasil, mas o aquecimento não foi registrado somente por aqui. Neste ano de 2020, o planeta vem enfrentando recordes extremos de incêndios florestais, que trazem como consequência temperaturas elevadas, e o mês ficou registrado também como o setembro mais quente dos últimos 30 anos, desde que os recordes começaram a ser registrados.

Em comparação com o mesmo período do ano passado, setembro deste ano esteve 0,05 °C mais quente que 2019, que também já sustentava um recorde. Embora muitos países tenham sentido um aumento nas temperaturas, o aquecimento foi bastante alarmante em regiões da América do Sul, Austrália, na costa do norte da Sibéria e no Oriente Médio.

<em>Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay

Mas aumento das temperaturas não aconteceu somente em setembro. Em junho, por exemplo, uma cidade da Sibéria atingiu a temperatura recorde de 38 °C, sendo a maior já registrada acima do Círculo Ártico. O inverno e a primavera na região foram mais quentes que o normal, apresentando temperaturas de cerca de 10 °C acima do comum no mês de maio. Em agosto, o Vale da Morte, deserto da Califórnia, chegou a atingir 54,4 °C, sendo a maior temperatura já registrada em mais de um ano, além de também ter sido a mais alta do mundo.

Também neste ano, as queimadas da Califórnia quebraram recordes de destruição, com mais de 1,6 milhão de hectares afetados. Desde 1950, os incêndios no estado norte-americano só vêm aumentando, ano após ano. Setembro registrou ainda o recorde de menor quantidade de gelo marinho no mundo, com a sua extensão reduzindo consideravelmente nas últimas décadas.

As informações são do Climate Change Service, que faz parte do programa Copernicus, da União Europeia, coletadas a partir de um conjunto de dados chamado ERA5.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: