Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.214,87
    +183,98 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Suspeito de ataque com arma branca na Suécia é um afegão que chegou ao país em 2018

·1 minuto de leitura
A polícia inicialmente tratou o incidente como "tentativa de homicídio", mas depois mudou para "suspeita de crime terrorista"

O suposto autor do ataque com arma branca que deixou sete pessoas feridas na Suécia na quarta-feira é um afegão de 22 anos que chegou ao país em 2018, informa a imprensa local nesta quinta-feira.

O suspeito morava há vários meses em Vetlanda, pequena cidade de 13.000 habitantes no sul do país, local do ataque. A polícia organizou uma operação de busca em sua casa nas últimas horas, segundo os jornais Aftonbladet e Expressen.

A polícia, que investiga possíveis motivações terroristas, não confirmou as informações, mas admitiu que o suspeito tinha ficha criminal por delitos menores e reside na região.

O homem foi baleado na perna por policiais e detido. Ele está hospitalizado e não está em condições de ser interrogado.

O ataque deixou sete feridos, três deles em risco de vida e dois em estado grave.

A polícia inicialmente descartou a pista terrorista, mas depois afirmou que suspeitava que fosse um "crime terrorista" e uma "tentativa de homicídio".

"Há detalhes da investigação que nos fazem trabalhar em possíveis motivações terroristas. Mas não posso especificar do que se trata", declarou Malena Grant, chefe da Polícia da região de Jönköping.

O país sofreu dois ataques nos últimos anos.

Em 2017, um requerente de asilo uzbeque que teve seu pedido rejeitado matou cinco pessoas ao atropelá-las com um caminhão roubado em Estocolmo. Ele foi condenado à prisão perpétua em junho de 2018.

Em dezembro de 2010, um homem tentou um ataque suicida com bomba também na capital, mas causou apenas feridos sem gravidade.

cbw/plh/tjc/bl/fp