Mercado abrirá em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,40
    +0,64 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.801,50
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    62.825,16
    +2.259,77 (+3,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.234,38
    +29,83 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    26.118,63
    -8,30 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.387,00
    +46,00 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    -0,0027 (-0,04%)
     

Sete entre dez bares e restaurantes têm menos funcionários agora do que antes da pandemia

·2 minuto de leitura

Sete em cada dez bares e restaurantes do país (72%) funcionam atualmente com menos empregados do que antes da pandemia. O dado foi revelado por pesquisa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), que também mostrou que três em cada dez (31%) pretendem recontratar funcionários nos próximos três meses. Por outro lado, mais da metade (58%) admite que ainda vai precisar fazer ajustes no quadro de colaboradores, com novas demissões ou adiando melhorias no trabalho.

Leia também:

A dificuldade, segundo os empreendedores, é em função do encerramento do benefício emergencial para suspensão de contratos ou redução de jornada, que ajudou a manter a mão de obra durante a crise. Dos 58% que vão precisar fazer ajustes, para 27% destes, isso significa ter de fazer novas demissões e, para 21%, adiar reformas e melhorias.

As empresas que estão contratando também têm desafios. Uma em cada cinco (20%) diz estar com dificuldade para recrutar mão de obra. Os cargos mais qualificados são os que têm menos oferta de profissionais – quase metade dos que tentam contratar um cozinheiro, por exemplo, relataram problemas para encontrar alguém preparado para assumir a função. Na avaliação dos consultados, pela ordem, os cargos mais difíceis hoje são cozinheiros, gerentes e chefe. Depois vêm especialistas (como sushiman), garçons e auxiliares de cozinha.

Veja ainda:

— Este é um fenômeno que deve se intensificar com a retomada. Outros setores também relatam dificuldades parecidas, principalmente nos grandes centros. Muitos trabalhadores demitidos durante a pandemia se mudaram ou encontraram uma nova forma de renda. Não à toa, o número de microempreendedores individuais cresceu muito nos últimos 18 meses — diz o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci.

Confira:

Outro ponto de atenção para o setor é o grande número de empresas com pagamentos em atraso (56%), o que dificulta a retomada. Dos estabelecimentos respondentes que estão no Simples (88%), mais da metade (51%) deve ao menos uma parcela. E a retomada ainda não começou para todos os bares e restaurantes: 35% disse ainda ter trabalhado com prejuízo em agosto, índice que se manteve quase estável em relação a julho (37%).

— Mais da metade das empresas (53%) afirmou ter feito faturamento maior em agosto de 2021 em relação a agosto de 2020, mas o número não impressiona, já que é fundamental observar que nesta época, ano passado, as restrições em função da pandemia eram muito mais severas. Os ajustes na gestão, a maior automação e a adoção de novos canais (como o delivery) permitiram a essas empresas chegar até aqui. Mas agora é preciso redobrar os esforços e olhar com atenção para os problemas que podem atravancar a retomada, como a questão das dívidas, principalmente os impostos atrasados — completa Solmucci.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos